carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Notícias > Internacional

Em Honduras a seca afeta a colheita do café

postado em 14/02/2017

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Pelo menos 22% da produção de café na região oriental de Honduras está afetado pelas condições de seca de 2016. Por causa do clima, os cafezais secaram e até o sabor do produto foi afetado. Os intermediários já não compram grãos para vender, porque "este café secou e no momento do corte, esses se misturam com o bom café e isso está causando mofo no café", disse Mario Segura, produtor de café na região.

Há informações de que os armazéns de café estão cheios, porque os exportadores também deixaram de vender grãos a nível internacional.

Aproximadamente 17.633 sacas de 60 quilos de café foram afetadas. No entanto, os produtores estimam que mais de 191.667 sacas estejam nas mãos de intermediários e, pela má qualidade, não podem ser vendidos.

Estes números afetam duramente a economia deste país produtor de café, que tinha planejado produzir mais de 766.667 sacas.

Para os intermediários, a venda de café é um problema sério, porque só o departamento de El Paraiso é afetado.

"Estão paradas as operações de compra de café, porque em Olancho estão comprando, no oeste, também, em Comayagua, Siguatepeque, apenas em nosso departamento a compra café está estancada", disse Gustavo Gonzales, comerciante e produtor de café.

De acordo com Gonzales, o grão de café passa por um processo de mudança que é causado pelo tempo, o que dá um novo sabor ao produto; no entanto, os exportadores chamam isso de fenol, para tirar partido da situação.

"O que querem é baixar o preço, porque se o café não serve, não compram, porque a mim estão oferecendo comprar café, mas baixando US$ 27 por saca," disse ele.

O custo do café no mercado internacional é de cerca de US$ 150, enquanto na região, os intermediários compram por US$ 136.

Nesse sentido, os produtores e comerciantes de café acham que, para comprar o café, esse precisa passar por provas de qualidade. “Nós não fechamos o estabelecimento em nenhum momento. O produtor tem que ir pensando em melhorar sua qualidade e cortar exclusivamente o grão maduro do cafezal”, disse o produtor de El Paraíso, Santos Gaitán.

As informações são do El Heraldo/ Tradução Por Juliana Santin
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade