FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Seca no Brasil vai tirar 120 mil toneladas de café do mercado mundial

A seca vivida pelo Brasil deixará o mercado mundial de café sem ao menos 2 milhões de sacas necessárias para o pleno abastecimento em 2014-2015, declarou nesta sexta-feira (7) a Organização Internacional do Café (OIC).

O déficit de produção será "de ao menos 2 milhões de sacas", declarou em uma coletiva de imprensa em Londres o diretor-executivo da OIC, o brasileiro Roberio Oliveira Silva. Como cada saca tem 60 kg, isso significa que o mercado mundial ficará sem 120 mil toneladas do produto.

A escassez é atribuída "em grande parte à seca brasileira", declarou o diretor da organização, que reúne os países produtores e que tem sua sede na capital britânica. “Mesmo com o aumento esperado da produção colombiana, não prevemos um mercado equilibrado”.

Oliveira Silva informou que está à espera de que as autoridades brasileiras comuniquem as perdas exatas na colheita de café para ter uma ideia mais precisa da escassez. O Brasil é o primeiro produtor e exportador mundial e viveu em janeiro sua pior seca em décadas.

O Estado de Minas Gerais, onde a maior parte dos cultivos de café do País se localiza, foi particularmente afetado por esse tempo anormalmente seco, justo em pleno amadurecimento dos frutos, que serão colhidos a partir de abril.

A perspectiva de escassez no mercado fez os preços dispararem e a variedade arábica — dois terços da produção brasileira — alcançou nesta semana seus preços mais altos em dois anos.

O preço superou os 2 dólares a libra em Nova York, enquanto a variedade robusta, que é cotada em Londres, alcançou 2.136 dólares a tonelada, seu valor mais alto em quase um ano.

A escassez coincidirá com um período de expansão da demanda, com um crescimento esperado de 2,4% em 2013, segundo estimativas comunicadas por Mauricio Galindo, chefe de operações da OIC.

As informações são da AFP, adaptadas pelo CaféPoint
 

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CARLOS ALBERTO DE CARVALHO COSTA

MUQUI - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 12/03/2014

Sr. Roberio Oliveira Silva, espero ter interpretado mal as suas palavras sobre a quebra de só 2 milhões de sacas no Brasil. Segundo os produtores, coperativas e outros entendidos no assunto, a quebra no Brasil será muito superior a 5 milhões de sacas, isso sem considerar o conilon que realmente no norte do estado do Espírito Santo o tempo correu de acordo, mas no sul do estado, apesar de sermos pequenos em relação ao norte, em determinadas cidades a quebra superou 50%, pois a chuva que caiu e continua caindo no norte do estado não caiu aqui no sul, pelo contrário, tivemos uma seca de 60 dias debaixo de um sol escaldante.
JOÃO BATISTA VIVARELLI

DIVINOLÂNDIA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 11/03/2014

O tamanho do prejuízo causado pela estiagem e altas temperaturas, realmente vão ser percebidos por ocasião da colheita e beneficiamento.
WILLIAN TREVIZAN

ARAGUARI - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 10/03/2014

Não sei onde tiraram estas conclusões....onde e irrigado perdeu 20%...imagina onde não e....