ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Importação de café conilon: Mapa emite nota e CNA se posiciona contra

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 10/02/2017

9
0
Da redação

A Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SDA/Mapa) emitiu, nesta quinta-feira (9/2), nota em que refuta informações de “suposto estudo que relacionaria pragas com potencial capacidade para destruir cafezais capixabas e brasileiros, caso a importação dos grãos de café seja liberada pelo governo federal”.

Segundo o Mapa, atualmente, estão aptos a exportar para o país, grãos crus de café, diferentes países, mediante o cumprimento de requisitos para a mitigação de riscos fitossanitários inerentes a essas importações pelo país exportador, pelos produtores internacionais, pela vigilância agropecuária brasileira e pelos importadores nacionais. Tais requisitos são resultantes de estudos minuciosos de análise de risco de pragas (ARP) conduzidos de acordo com as normas internacionais, aprovadas e estabelecidas pelo Acordo de Medidas Sanitárias e Fitossanitárias do tratado da Organização Mundial do Comércio (SPS/OMC) e pela Convenção Internacional para a Proteção dos Vegetais, da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (CIPV/FAO/ONU) dos quais o Brasil é signatário.

“Todas as importações de grãos crus de café autorizadas pelo Mapa ou em vias de autorização passam previamente pelo estudo de ARP. Os produtos só são internalizados no Brasil mediante a comprovação do atendimento dos requisitos fitossanitários estabelecidos pelas ARP. Caso haja a constatação de descumprimento de tais requisitos ou a interceptação de praga quarentenária, o carregamento é destruído ou rechaçado, podendo a importação daquela origem ser suspensa e os requisitos fitossanitários revistos”, aponta a nota.

“Diante do exposto, podemos afirmar que o café importado não representa, absolutamente, ameaça fitossanitária aos estados produtores de café no Brasil”, afirma o Mapa.



CNA e FAEMG condenam importação de conilon pelo Brasil



Já nesta sexta-feira (10/2), a Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA) e a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (FAEMG), se manifestaram contra a importação de café conilon. O presidente das Comissões Nacional e Estadual de Café da CNA e da FAEMG, Breno Mesquita, diz que a importação é uma ameaça fitossanitária aos cafezais e também aos produtores brasileiros. “A CNA e a FAEMG sempre foram contrárias à importação de café conilon, em qualquer quantidade, pela indústria, por entender que o Brasil tem produção suficiente para abastecê-la, e porque sabemos dos riscos fitossanitários inerentes à importação dos grãos, para os nossos cafezais”, pontuou Mesquita.

O diretor acredita que existe risco fitossanitário. “Ao trazermos café de outros países, corremos risco real de, junto com o grão e também na sacaria, virem pragas e doenças desconhecidas da cafeicultura brasileira e, até descobrirmos possíveis medidas para combatê-las, devido à burocracia existente no Brasil, podemos colocar em risco a nossa cafeicultura, que é uma atividade de grande importância econômica e social para o país”.
 

9

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

OTAVIO PINHEIRO DE LIMA PITTA

FUNDÃO - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 17/02/2017

Não consigo entender que o principal argumento usado pela indústria seja a escassez do produto ,uma vez que o preço do robusta vem sofrendo uma queda continuada o que sinaliza uma abundância do mercado. Acredito em manobra para aumento dos lucros da indústria . Precisamos ter bons preços para o produtor conseguir renovar suas lavouras.

Abraço

Otavio Pitta

Pequeno produtor do município de Fundao ES

E-mail pittaotavio@gmail.com
JOSÉ ADAUTO DE ALMEIDA

MARUMBI - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 17/02/2017

Agora o governo (leia-se: Ministério da Agricultura) , conseguiu "cagar e sentar em cima" com a decisão de ABRIR a porteira para entrada de cafés de outros países. O problema principal não é o risco e entradas de novas pragas, mas sim a concorrência desleal que vai haver por causa do nosso ALTÍSSIMO CUSTO BRASIL frente custo da mão de obra no café , principalmente do VIETNà (salário de US 80,00 /mês no Vietnã contra  em torno de  US 302,00 no Brasil). Essa decisão vai quebrar os produtores de conilon e também produtores de arábica das montanhas pois acabam aumentando a porcentagem de conilon na mistura do torrado e moído ...e quem garante que não vai vir arábica no pacote? No café de montanha a mão de obra corresponde a mais de 50% do custo total. Para os industriais, o importante é o valor final da saca colocada na indústria...e dane-se os pequenos cafeicultores...e dane-se a parte social do Brasil.

Lamento muito esta decisão equivocada.
JOAO FILIPE BRUNO

PANCAS - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 17/02/2017

Alem de prejudicar os produtores internos de café conillon, que a maioria é de pequenas propriedades onde dependem totalmente de suas lavouras para sobrevivência, ainda corremos o risco de novas doenças e pragas chegarem com a importação. Alem da doença causada pela crise, poderemos ter ainda uma praga devastando os cafezais e gerando assim prejuizo enorme para todos os setores. O produtor necessita de bons preços para poder manter as lavouras em um nível para boa produtividade, e consequentemente oferecendo assim um bom produto ao mercado.
EDER BERNABE

ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 16/02/2017

Passou da hora de unirmos forças produtores de minas Banhia Espírito Santo principalmente  produtor capixaba que tanto vem sofrendo com a seca o produtor está descapitalizado não vai resistir a esse baque ,o governo que erra pra ser o parceiro do homem do campo está fazendo ao contrário com essa medida
GINOAZZOLINI NETO

LONDRINA - PARANÁ - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 13/02/2017

Nada de importação. A indústria que pague o que vale e pare de choramingar. O Ministro não sabe nada de café. O negócio dele é soja.
AILTON GERALDO DIAS

VITÓRIA - ESPÍRITO SANTO

EM 13/02/2017

O MAPA demonstra estar subjugado ao poder político e, por isso, não se encontra habilitado para elaborar um posicionamento técnico contra a importação de café.
SAULO ANTONIO MELO SIQUEIRA

CÁSSIA - MINAS GERAIS

EM 13/02/2017

Temos comentado aqui sobre a atuação anti-patriótica e irresponsável de diversos órgãos  governamentais. Depois de todo tipo de desmando, estatísticas  falsas, projeções mentirosas, estamos em via de sermos ´´agraciados`` por mais uma benesse do governo brasileiro aos produtores estrangeiros em detrimento dos salvadores da pátria que continuam gerando emprego e segurando a economia deste malfadado Brasil. Pragas, desrespeito ao meio ambiente, não cumprimento de nenhuma responsabilidade trabalhista, etc.. É esta a nova ´´praga`` que este maldito governo quer que passemos a concorrer agora? Isto beneficia a quem? Quais interesses estão ocultos atrás disto? Vamos acordar enquanto há tempo.
MARIO DORNELLES DE ALVARENGA

PERDÕES - MINAS GERAIS

EM 13/02/2017

Por mais que esperneemos parece que Mapa vai importar mesmo conillon,é fruto do poder da industria.Hoje percebo nossa fragilidade mediante ao poder da grande industria nacional e multinacional junto aos governos.Só nos resta em 2018 dar uma resposta a estes politicos de plantão!!!
CARLOS ALBERTO DE CARVALHO COSTA

MUQUI - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 13/02/2017

Não estou entendendo essa vontade louca do MAPA em importar café Conilon do Vietnã, parece até um conluio por debaixo dos panos com a indústria .