FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Estiagem na América Central pode reduzir mais oferta mundial de café

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 29/08/2014

2 MIN DE LEITURA

1
0
O clima tem ditado as regras no mercado cafeeiro da última semana. O Conselho Nacional do Café pontuou em seu Balanço semanal, de 25 a 29 de agosto, informações sobre o mercado, destacando dados do clima, que contrariou expectativas de chuva nas regiões produtoras no Brasil e trouxe consequências na América Latina.

Leia, abaixo, o texto divulgado pelo CNC, abordando o comportamento do mercado e as previsões de clima:

Balanço Semanal - 25 a 29/08/2014

Mercado
Com a frustração das expectativas de chuvas de volumes significativos para as próximas semanas nas regiões produtoras brasileiras, os preços futuros do café apresentaram significativa valorização nesta semana.

O clima seco aumenta as especulações dos investidores sobre uma menor safra de café em 2015, dado o nível de estresse das plantas devido ao veranico do início do ano. Além disso, com a circulação de relatórios de empresas privadas reforçando a quebra na atual safra nacional de café, as cotações futuras sustentaram a alta, rompendo a resistência do início do mês, de US$ 1,966 por libra-peso.

De acordo com a Somar Meteorologia, a frente fria que avançou pelo Sudeste do Brasil nos últimos dias causou apenas chuvas isoladas no Estado de São Paulo, que não atingiram as principais regiões produtoras de café. A previsão era de que as chuvas também não seriam consistentes sobre Minas Gerais e Espírito Santo.

Não obstante, a estiagem também presente na América Central será outro fator que poderá reduzir ainda mais a oferta mundial do café. Nesta semana, o Governo da Guatemala, por exemplo, declarou estado de emergência em função das condições climáticas. Além da seca, produtores centro-americanos ainda enfrentam a ferrugem, causada pelo fungo roya.

Diante desse cenário, o vencimento dezembro do contrato C negociado na ICE Futures US acumulou alta de 1.265 pontos até o fechamento da quinta-feira, que se deu a US$ 2,00 por libra-peso.

Os futuros do café robusta, na Bolsa de Londres, seguiram essa tendência de valorização, com o vencimento novembro do Contrato 409 encerrando a quinta-feira a US$ 2.039 por tonelada na Liffe. Na semana, foram registrados ganhos acumulados de US$ 42.

Seguindo o comportamento internacional, os preços domésticos brasileiros do café arábica também se valorizaram significativamente. O indicador do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) para essa variedade atingiu o maior valor desde o início de maio, sendo cotado, ontem, a R$ 457,83/saca. A alta acumulada desde o final da semana anterior foi de 8,3%. O indicador para o café conilon apresentou valorização menos significativa, de 1,5%, encerrando a quinta-feira a R$ 254,56/saca.

Quanto ao mercado de câmbio, o dólar encerrou a quinta-feira a R$ 2,2393, com queda acumulada de 1,8% em relação ao final da semana passada. A valorização do real tem sido influenciada principalmente pelas especulações quanto ao cenário eleitoral brasileiro.


O Balanço é assinado por Silas Brasileiro, presidente executivo do CNC 

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ADONIS PEDRO VALENTIM

MUTUM - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 29/08/2014

apenas uma ideia, talvez aproveitando do momento climático  desfaforável, seria a união do setor torrefador, e só expotar cafe beneficiado( empacotando o cafe em pó). Sabedor das dificuldades de tal atitude, porem não custa alimentar esta ideia.                                         O brasil não é o maior produtor de cafe?
CaféPoint AgriPoint