ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

ES pede volta do contrato futuro do café conilon à Bolsa de São Paulo

Da redação

Com o objetivo de verificar as possibilidades da reabertura da negociação dos contratos de café conilon no mercado de futuros agrícolas, a Secretaria de Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca do Espírito Santo (Seag/ES) iniciou conversações com os executivos da Bolsa B3, em São Paulo.

Foto: Alexia Santi/Agência Ophelia
                                  Foto: Alexia Santi/Agência Ophelia

O secretário de Agricultura do Espírito Santo, Octaciano Neto, encaminhou um ofício ao Conselho Nacional do Café (CNC) pedindo apoio para a consolidação do projeto, uma vez que, para ele, apesar do estado ter expertise nas áreas produtivas e de qualidade na produção de café conilon, falta expertise de mercado.

A reabertura dos contratos futuros do café conilon na Bolsa dará condição ao produtor de vislumbrar as tendências dos preços e, principalmente, ter a isonomia de tratamento e possibilidades mercadológicas já existentes na soja, no milho, no boi gordo e no café arábica. De acordo com o gerente de agroecologia e produção vegetal da Seag/ES, Marcus Magalhães, "não podemos deixar o café conilon fora dos mercados futuros. O que queremos dar aos produtores é a chance de acessar um mecanismo de proteção de preço utilizado globalmente”, disse.

Após a solicitação à B3, a Seag/ES buscou o apoio dos setores do mercado do café, tanto produtores quanto compradores, e, agora, será elaborado um plano de negócio junto à Bolsa para estudar a viabilidade da reabertura dos contratos futuros. Em nota, o presidente da Organização das Cooperativas do Espírito Santo (OCB/ES), Esthério Colnago, avaliou que a reabertura aos contratos futuros dará transparência ao mercado do conilon.

“Hoje o mercado se baseia na Bolsa de Londres e, com essa reabertura, passará ser na Bolsa de São Paulo. A principal vantagem é a transparência, pois todos saberão o preço e a disponibilidade do café no mercado. O conilon tem produtividade e qualidade, mas falta ainda informação. Com o conhecimento ficará mais fácil a tomada de decisões”, avaliou.

Já o presidente do Centro do Comércio de Café de Vitória (CCCV), Jorge Nicchio, afirmou que a Bolsa é um parâmetro para o cafeicultor negociar seu produto e uma oportunidade para que ele garanta um bom preço. "Sem dúvida o que define a necessidade dessa reabertura é o crescimento da importância do café conilon em nível mundial, nos últimos anos. Somos o segundo país maior produtor de conilon do mundo e também o segundo maior consumidor de café do mundo. O conilon ocupava cerca de 25% do mercado de café em meados de 1980, e a previsão é que até 2020 esse número chegue a 45%, ou seja, ele possui um destaque muito maior do que há 30 anos".

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.