FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Fairtrade em transe

BRUNO MIRANDA

EM 16/01/2012

2
0
*Sylvia Saes
*Bruno Varella


A decisão da Transfair USA de buscar um caminho independente das iniciativas da Europa levanta dúvidas quanto ao futuro do comércio justo tal qual o conhecemos hoje. Em outras palavras, é impossível não nos perguntarmos se essa separação, prova da considerável heterogeneidade entre as diversas concepções que convivem sob o rótulo Fairtrade, não marcará transformações profundas na estrutura do mercado solidário.

Em certa medida, não surpreende que europeus e norte-americanos estejam buscando rotas distintas para o desenvolvimento do comércio justo. O contraste entre as visões de mundo nos dois lados do continente, considerável em outros aspectos da vida cotidiana, teria que manifestar-se também nesse mercado. A entrada tardia dos EUA no comércio justo, se por um lado possibilitou uma considerável expansão na venda de produtos Fairtrade e a entrada das grandes empresas nesse negócio, levantou dúvidas acerca da aderência entre as práticas comerciais e os princípios do movimento. Com uma estrutura de governança relativamente complexa – graças, principalmente, aos diversos interesses envolvidos em sua existência -, é natural que o sistema Fairtrade tivesse que lidar mais dia menos dia com essas questões.

A história do comércio justo, de fato, mostra o quanto pode ser difícil definir estratégias, alvos e princípios. Quem conhece a evolução do mercado solidário sabe que, desde o final da década de 1940, este assumiu inúmeras funções. De um papel ativo em todos os segmentos da cadeia de produtos comercializados sob a denominação “comércio justo”, os militantes e organizadores deste nicho hoje se encontram cada vez mais ligados ao estabelecimento de regras e padrões. Da mesma forma, os grupos beneficiados e os produtos comercializados foram se transformando ao longo do tempo: a certificação de produtos agrícolas, face mais visível do Fairtrade na atualidade, constitui atividade que ganha corpo apenas nos anos 1990. Nem mesmo os grupos historicamente envolvidos com o comércio justo podem ser considerados idênticos; basta contrastarmos as características sociais de grupos como os menonitas norte-americanos e os partidos de esquerda europeus.

De qualquer maneira, podemos apontar a entrada da Transfair USA no negócio da certificação solidária de produtos agrícolas como um marco. Corriam os últimos anos da década de 1990 e, com eles, enorme inquietação acerca do excesso de oferta da produção certificada – o café é sempre o exemplo clássico. Com a ajuda dos norte-americanos, embora nem toda a produção tenha encontrado um destino dentro do mercado solidário, cresceram as vendas e algumas gigantes passaram a se interessar pelo nicho. Por outro lado, é inegável que, em alguns casos, o sistema Fairtrade abriu mão de parte de suas reivindicações, em especial a busca por maior transparência, em troca de um maior número de produtores inseridos no mercado.

Com a separação entre europeus e norte-americanos, nova mudança é esperada: agora, cafeicultores familiares não associados ou grandes cafeicultores que respeitem os padrões estabelecidos pelos administradores do comércio justo nos EUA poderão entrar no mercado. Os efeitos dessa transformação podem ser os mais diversos. É impossível, entretanto, não desconfiar dessa fixação por metas de crescimento de mercado e do número de produtores certificados em um nicho em que, muitas vezes, a detenção do selo não garante inserção efetiva no mercado. É possível que as pressões por crescimento rápido levem a um desmantelamento ainda maior do equilíbrio precário que sustenta os princípios do comércio justo. Quando se fala de um grupo tão heterogêneo, todo cuidado deveria ser pouco.

Obviamente, qualquer visão que defenda o congelamento do Fairtrade deve ser vista com desconfiança. Por exemplo, seria um erro supor que os produtores familiares de café detêm o monopólio das práticas sociais e trabalhistas superiores. A princípio, a escala da produção diz respeito unicamente à escala de produção! O grande temor, porém, é o de que o comércio justo, cuja principal força está relacionada à tentativa da construção de um conjunto de princípios capaz de ir além da realidade contábil, torne-se apenas mais do mesmo. Ao invés de auxiliar os agricultores e trabalhadores dos países em desenvolvimento e informar os consumidores, o resultado seria frustração e confusão mental.

Por tudo isso, o momento pede uma importante reflexão de todos os agentes envolvidos nesse importante – e crescente – nicho de mercado. A maior independência da iniciativa norte-americana, se por um lado possibilitará uma abordagem mais próxima da realidade do mercado convencional, por outro pode erodir os esforços de décadas de trabalho de outros militantes. Nunca é demais repetir, um dos princípios trunfos de movimentos como o comércio justo é o fluxo de informações que leva aos agentes beneficiados. Dito de outra forma, o dinheiro é apenas parte de um pacote que busca aumentar a auto-estima e o bem-estar desses indivíduos. Que o aprofundamento do modelo norte-americano de fazer comércio justo não se esqueça disso.


*Sylvia Saes - Professora do Departamento de Administração da USP e coordenadora do Center for Organization Studies (CORS)

*Bruno Varella Miranda- Mestre em Administração pela USP


 

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

BRUNO VARELLA MIRANDA

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 17/01/2012

Prezado Carlos,

Obrigado pelo seu comentário. Compreendo quando você usa a expressão "trabalho árduo" para falar do convencimento de que as práticas sustentáveis podem trazer benefícios. Afinal, muitas vezes é difícil comparar os benefícios no curto prazo entre duas trajetórias distintas.

Espero que essas transformações no movimento Fairtrade possam trazer benefícios aos agricultores certificados. Não sei, porém, se, no médio prazo, as mudanças beneficiarão os militantes históricos do movimento. O temor é o de que uma expansão sem cuidado leve a um esvaziamento completo dos princípios por trás do selo.

Atenciosamente

Bruno Miranda
CARLOS RENATO ALVARENGA THEODORO

MUQUI - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 17/01/2012

Sou Presidente de uma Cooperativa certificada de Muqui, no sul do estado do Espírito Santo. A CAFESUL conseguiu sua certificação em 2008 e desde então tem feito um trabalho árduo de convencimento dos cafeicultores nas práticas sustentáveis. É com muita preocupação que vejo movimentos deste tipo, visto que os pequenos agricultores quando encontram uma alternativa de mercado para se diferenciar dos demais que estão pouco se importando com a saúde dos trabalhadores e dos consumidores, que tratam o meio ambiente de forma irresponsável e que colocam o dinheiro na frente de tudo o que fazem. Espero que o bom censo prevaleça e que não tenhamos um esvaziamento deste mercado em detrimento do lucro a qualquer custo.