FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Brasil: desafios e lições

POR CARLOS HENRIQUE JORGE BRANDO

P&A MARKETING E EQUIPE

EM 18/10/2016

1
0
Por Carlos Henrique Jorge Brando, da P&A Marketing*

O Brasil foi muito eficiente na produção de café nas últimas duas décadas. A produção brasileira aumentou mais de 50% nos últimos 15 anos e a participação do Brasil no mercado mundial passou de 22 a 33%. Entretanto há desafios para reter e aumentar esta participação, como explicaremos abaixo.

1. Adaptação e resiliência a mudanças climáticas
A mitigação de efeitos de mudança climática é necessária porque o Brasil perdeu entre 22 a 24 milhões de sacas de produção devido às secas dos últimos três anos. Isto equivale à metade da produção do país ou às safras médias da Colômbia e Indonésia juntas. Além disto, chuvas intempestivas durante a colheita causaram perdas de qualidade do arábica este ano.

2. Mecanização da colheita e de outras atividades em áreas de montanha
A mecanização das áreas de montanha é necessária e devemos promover o desenvolvimento de equipamentos para tanto e de novos sistemas de plantio como, por exemplo, o terraceamento, além de outras inciativas. A mão-de-obra é cara no Brasil em relação aos outros países produtores: salários mais altos somados aos benefícios sociais, fornecimento de EPI e outros itens relacionados ao bem estar do trabalhador. A mão-de-obra pode representar 60% dos custos diretos de produção em áreas de montanha e apenas 30% nas áreas de café planas mecanizadas.

3. Aumento da eficiência dos serviços de extensão para apoiar pequenos produtores e implantar boas práticas de agricultura sustentável
O aumento da produtividade e sustentabilidade do pequeno cafeicultor é crítica porque eles são 80% dos produtores e respondem por 35% da produção. As ilhas de ineficiência no Brasil estão muito mais associadas com o tamanho do produtor que com área geográfica.

4. Mais recursos e foco em pesquisa
Mais dinheiro para pesquisa é necessário para ser usado com foco prioritário em mitigação da mudança climática e mecanização da cafeicultura de montanha, desafios 1 e 2 mencionados acima.

5. Marketing e agregação de valor.
Finalmente, mas não menos importante, marketing e agregação de valor devem ser intensificados porque o Brasil aumentou a qualidade e sustentabilidade de seus cafés mas os preços e prêmios de preço não melhoraram proporcionalmente.

Alguns ou talvez todos estes desafios não são novos e já há histórias de sucesso em enfrentá-los. Entretanto as melhores histórias de sucesso têm a ver com as três “revoluções” por que o agronegócio café brasileiro passou: produtividade, sustentabilidade e qualidade.

A produtividade média brasileira passou de 14 para 25 sacas por hectare em quinze anos como resultado de pesquisa, transferência de tecnologia e a criação de um ambiente negocial favorável: financiamento, mercados eficientes para insumos e equipamentos e uma cadeia produtiva eficiente. A produtividade aumentou sem crescimento da área plantada que, na verdade, diminuiu.

Isto é sustentabilidade em sua essência porque terras produtivas não foram subtraídas da produção de alimentos - grãos ou proteína animal - ou de florestas nativas. O Brasil é hoje a principal fonte mundial de cafés sustentáveis, com mais de 25 milhões de sacas verificadas ou certificadas como tal a cada ano, e cerca de 7 milhões de sacas de café sustentável exportadas em 2015.

A qualidade vem em seguida. Puxado pelo setor de cafés especiais, o Brasil melhorou a qualidade de seus cafés substancialmente, com grande aumento da produção de cafés especiais – 6 a 8 milhões de sacas por ano – e grandes avanços na área de cafés diferenciados, que já representam 30% das exportações totais de café.

Tudo isto é completado por uma cadeia produtiva eficiente que transmite 85 a 90% do valor FOB de exportação ao produtor.

* Este artigo foi apresentado no Painel 1, “Enfrentando desafios em países produtores de café”, durante o 6º Fórum Consultivo de Finança para o Setor Cafeeiro da OIC

CARLOS HENRIQUE JORGE BRANDO

Engenheiro civil pela Escola Politécnica da USP; pós-graduação à nível de doutorado em economia e negócios no Massachusetts Institute of Technology (MIT), EUA; sócio da P&A Marketing Internacional, empresa de consultoria e marketing na área de café

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ROBERTO DE CASTRO

BOA ESPERANÇA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 19/10/2016

Gostei do artigo, os pequenos produtores, já estão conciente, que só com a qualidade do café terão sucesso em suas atividades, a continuar com  esta mentalidade a coisa só tem a melhorar.