ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Como as cooperativas FairTrade podem superar a crise dos 15 anos?

ESPAÇO ABERTO

EM 30/10/2017

0
0
Por Ulisses Ferreira

Muitas associações e cooperativas FairTrade estão completando seus 10 a 20 anos de existência. Muitas delas têm diretorias que estão desde a fundação e muitas já atingiram seus objetivos iniciais, sejam eles comerciais, sociais ou ambientais.

Foto: Alexia Santi/Agência Ophelia
                                  Foto: Alexia Santi/ Agência Ophelia

Por muitos anos participei, ajudei a constituir e apoiei associações e grupos de
produtores, podendo ver de perto o sucesso e o fracasso. Algumas nunca chegaram à fase adulta, outras chegaram mas sem nenhum projeto futuro e outras eram jovens
promessas, mas infelizmente não conseguiram superar a crise dos 15 anos.

A crise dos 15 anos, recentemente, é o tema que me faz refletir nos momentos de
descanso. Como podemos superar essa fase crescendo e amadurecendo?

O que mais me desperta interesse nesse assunto é que nosso país parece viver uma crise parecida, muito semelhante ao que muitas empresas, associações, cooperativas e organizações como um todo vivem no dia a dia.

A crise dos 15 anos nada mais é do que a dificuldade em superar a fase dos sonhos, das expectativas e das alegrias de quando foi criada a associação, a empresa ou o governo, passando para uma fase realística, quando muitos têm a perder se algumas mudanças não forem feitas. Nessa fase, os objetivos iniciais para os quais a associação foi criada já são rotineiros para o produtor, que não valoriza aquilo como sendo um benefício, mas sim um direito e uma obrigação da associação. Muitos começam a cobrar cada vez mais e também surgem, invariavelmente, disputas de poder (por alguns entenderem que a diretoria está
acomodada).

Nesse caso, quem está no comando da associação desde sua criação tem dificuldade de desenvolver novas visões, novos sonhos e se apega naquilo que já foi realizado, nas conquistas passadas e, muitas vezes, os novos membros ou novos grupos que entraram no decorrer dos anos acabam exigindo mudanças, melhorias (ou algo a mais).

Essas mudanças acontecem, mas de uma forma paliativa e não sistêmica. E este é um ponto em quem a crise dos 15 anos nos ensina: mudanças acontecem, por mais desconfortável que elas sejam, mas se a própria organização é a promotora das mudanças, essas podem trazer bons resultados na frente.

Nesses casos as mudanças precisam ser profundas e combater de frente os principais pontos que estão atrapalhando o crescimento e o desenvolvimento da associação (geralmente no Brasil a falta de planejamento e transparência). Diria que é necessário nessa fase se reinventar, pois fazer apenas mais do mesmo e se vangloriar do que já foi conquistado não funciona. Exemplos de associações e cooperativas que caíram nesse erro são vários no Brasil.

Mas vejam a analogia com a crise brasileira: cito o exemplo de uma associação da qual sou voluntário e que ao completar seus 15 anos de existência identificou que precisava crescer, fazer mais do que aquilo que se propôs a fazer no início, daí partiu para aproveitar uma oportunidade de vendas para a merenda escolar. Atualmente com mais de 4 anos nesse projeto, sabemos que precisamos nos reinventar ainda mais, pois os benefícios da agricultura familiar de comercializar com o setor público na verdade já são rotineiros e precisamos prestar esse serviço aos produtores com excelência, mas pensando em como podemos melhorar
ainda mais a qualidade de vida das famílias associadas.

São esses os pontos que as associações e cooperativas da agricultura familiar devem sempre focar: o que devemos fazer hoje para garantir a união dos nossos associados e proporcionar melhoria da qualidade de vida de todos? Qual será o diferencial que podemos oferecer que irá manter a associação forte e unida? Se nossa associação deixasse de existir faria falta? Por quê? O produtor percebe isso? Estamos dando oportunidade para novos desafios?

Na verdade, as rápidas mudanças têm obrigado qualquer organização a buscar a
inovação, por mais sucesso que a organização possa ter tido no passado é importante estar atento para essas mudanças, que podem ser percebidas através do diálogo com associados, de oficinas que utilizem metodologias de brainstorm, com o apoio e suporte de técnicos ou através do acompanhamento das tendências do setor.

Superar a crise dos 15 anos é começar de novo, mais forte, mais preparado e sem
perder de vista qual é realmente seu objetivo, a razão de existir da organização. Por mais familiar que seja sua associação é preciso um mínimo de gestão para o alcance dos seus objetivos, sejam eles sociais, ambientais, culturais, políticos ou econômicos. 

*Ulisses Ferreira é especialista em cafeicultura sustentável e consultor de associações e certificações agrícolas. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.