FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Faz algum sentido?

POR BRUNO VARELLA MIRANDA

E SYLVIA SAES

BRUNO VARELLA MIRANDA

EM 16/03/2011

2
0
Era uma vez um país na América do Sul, governado por uma ditadura militar. O autoritarismo era flagrante; ainda assim, fazia-se o possível para que as aparências fossem mantidas. Como o antigo sistema partidário se mostrasse inadequado para os anseios da "revolução", criou-se algo novo: um bipartidarismo artificial, amparado em todo o tipo de distorção nas regras.

Um desses grupos, a Arena, constituiu a principal base de sustentação da ditadura. Com o fim do regime e a volta do multipartidarismo, a Arena mudou de nome, passando a ser conhecido como o PDS. O PDS, porém, logo seria esvaziado diante da necessidade de garantir uma transição conservadora no Brasil. Alguns de seus quadros iriam para o PMDB, que de oposição ao regime passou a ser o refúgio de alguns de seus caciques, ao passo que o PFL foi fundado.

Desde então, tanto o PMDB quanto o PFL têm sido fundamentais para explicar a história política do Brasil. Ambos têm contribuído para a manutenção dos governos democraticamente eleitos desde 1989. No caso do PFL, a aliança com o PSDB permitiu a aprovação de diversas medidas que afetam diretamente a nossa sociedade nos dias de hoje. Na atualidade, trata-se de um dos principais grupos de oposição - e, portanto, de monitoramento - do governo eleito.

Independentemente do passado questionável de muitos de seus integrantes, o PFL sobrevive como um importante elemento da oposição ao atual governo. Não precisamos nos alongar para explicar a importância da oposição em qualquer sociedade; naturalmente, isso vale para a eventual vitória de qualquer um dos partidos existentes em nosso país.

O PFL, entretanto, não se chama mais PFL. Desde 2007, o partido se intitula Democratas, o que foi justificado, à época, sob o argumento de que a legenda queria oferecer uma alternativa moderna para a direita política. Justo, muito justo: de fato, a sociedade brasileira precisa de pluralidade de opiniões. Logo, se o DEM pretende abraçar a nova realidade e oferecer soluções para os eleitores, ganhamos todos com mais uma opção.

Acontece que uma estrela ascendente do DEM pretende passar para o lado do governo. Não só isso, acredita que pode levar um punhado de políticos consigo. Conhecedor da legislação eleitoral, sabe que não pode realizar a troca de partido diretamente, motivo que o leva a defender nos bastidores a criação de uma nova legenda. Meses depois, esse partido seria fundido a outra legenda da base governista. Em meio a essa manobra, nós, os eleitores, com clara dificuldade de entender essa lógica.

A história narrada acima é um típico conto político brasileiro. Suas personagens, seres de carne e osso, só estão lá por nosso voto. Um país democrático sério depende de um sistema eleitoral consolidado; isso só é possível quando os partidos fazem a sua parte. O que precisamos são legendas com um conteúdo programático claro, e um projeto para o país que vá além da troca de cargos ou das conveniências de curto prazo.

Só esperamos que a falta de compromisso de muitos de nossos políticos com a consolidação do sistema partidário brasileiro leve a um quadro tão artificial quanto o observado no auge da ditadura. O exemplo dado aqui certamente não é o único; basta vermos a (in)coerência ideológica de nossos "comunistas" ou a incrível capacidade do eterno sócio do governo a se moldar às contingências. Para que uma democracia floresça, não é preciso unicamente o direito ao voto; indo além, precisamos de alternativas estáveis.

BRUNO VARELLA MIRANDA

Professor Assistente do Insper e Doutor em Economia Aplicada pela Universidade de Missouri

SYLVIA SAES

Professora do Departamento de Administração da USP e coordenadora do Center for Organization Studies (CORS)

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSE EDUARDO FERREIRA DA SILVA

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS

EM 18/03/2011

Precisamos de oposição!
CARLOS ALBERTO DE CARVALHO COSTA

MUQUI - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 16/03/2011

Ótimo artigo. Gostaria apenas de saber em quais coligações estão os famigerados Collor de Melo, Sarney, Renan Calheiro, Ibsen Pinheiro,etc. Só muda a sigla pois o conteúdo é o mesmo, nenhum pensa na coletividade, só em se locupletar.
Quantos, fora da eleição já lutaram por nós cafeicultores, os que já o fizeram foi por pura demagogia.
Abraços
Carlos Alberto/ produtor de robusta em Muqui-ES