FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Espíritos animais

POR BRUNO VARELLA MIRANDA

E SYLVIA SAES

BRUNO VARELLA MIRANDA

EM 15/04/2011

0
0
Um livro esquecido na estante há alguns meses tem se mostrado uma leitura das mais interessantes. Escrito por uma dupla de peso, Animal Spirits concorreu a uma série de prêmios em 2009. Em parte, George Akerlof e Robert Shiller, seus autores, foram ajudados pelo fato de tratarem de questões fundamentais para a compreensão da grave crise de 2008 e as suas consequências. Animal Spirits, porém, vai além disso: o livro apresenta uma série de pontos cuja influência sobre a análise econômica deve ser revista.

Mais especificamente, chama a atenção a centralidade que os autores dão a fatores psicológicos, como a confiança, o senso de justiça e a má fé, para explicar os rumos do capitalismo. Economistas, em geral, são ferrenhos defensores da análise assentada em um ser humano racional, capaz de medir prós e contras de suas decisões e chegar a um desfecho que maximize os resultados. Akerlof e Shiller preferem tomar um caminho distinto.

Vejamos o exemplo da confiança. Segundo os autores, a confiança constitui uma variável central para a explicação dos preços de ativos, como residências ou ações. Pois bem, Akerlof e Shiller afirmam que a confiança - ou a desconfiança - é "contagiosa": nesse sentido, a mudança de opinião dos agentes possui um efeito multiplicador, capaz de gerar efeitos crescentes no sistema econômico. Quem observa o comportamento de "bolhas" ou, ainda, as quedas acentuadas na bolsa de valores após um boato, logo percebe essa realidade.

Talvez a principal decorrência da identificação dessas características psicológicas dos humanos é a reinterpretação do papel do Estado na condução dos negócios econômicos. A atenuação do pressuposto da racionalidade faz com que o argumento em favor do "Estado mínimo" tenha que ser adaptado. Não por acaso, Akerlof e Shiller são claros ao afirmar que a sociedade sai ganhando com governos capazes de regulamentar os mercados e implementar planos de recuperação econômica.

Afinal, é necessário que alguém se encarregue, por exemplo, de garantir a recuperação da confiança quando os boatos parecem levar tudo para baixo. Igualmente, a percepção da existência de justiça, variável central na análise dos autores, constitui uma missão que depende do Estado. Em outras palavras, Akerlof e Shiller acreditam que o capitalismo só nos trará aquilo que queremos para o futuro caso mantenhamos os olhos abertos. Diversos fatores psicológicos tornam a regulamentação - ou a fiscalização, se preferirem outro termo - uma necessidade.

Dois fatores nos levam a recomendar a leitura de Animal Spirits. Em primeiro lugar, a questão dos limites para a regulamentação dos mercados frequentou a nossa coluna há algumas semanas, proporcionando um animado debate. Temas como a volatilidade e o limite para a alta nos preços foram aqui tratados e, na análise de Akerlof e Shiller, são também lembrados. Para quem se interessa por esses assuntos, o livro é uma ótima pedida.

Além disso, as discussões acerca dos rumos da economia norte-americana, uma constante em nosso noticiário, proporcionam um diálogo dos mais saudáveis com Animal Spirits. A paranóia da oposição ao presidente Obama com o corte de gastos nos EUA esconde uma realidade mais ampla: muitos desses críticos parecem acreditar numa espécie de "ordem natural" na economia, cuja essência, se seguida, levará ao bem-estar global. Akerlof e Shiller nos lembram, com razão, que o capitalismo não produz necessariamente o melhor dos mundos. Encontrar o melhor papel para o Estado, ao invés de marginalizá-lo, parece ser a melhor opção.

BRUNO VARELLA MIRANDA

Professor Assistente do Insper e Doutor em Economia Aplicada pela Universidade de Missouri

SYLVIA SAES

Professora do Departamento de Administração da USP e coordenadora do Center for Organization Studies (CORS)

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.