ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Diga como produz e o mercado dirá quanto vale

POR BRUNO VARELLA MIRANDA

CONJUNTURA DE MERCADO - BRUNO VARELLA MIRANDA

EM 30/11/2017

2
1
Termos como “pós-verdade” e “notícias falsas” têm povoado as manchetes e os muros das redes sociais há algum tempo. O interesse é proporcional à influência de informações distorcidas no desfecho de decisões sociais relevantes. Por exemplo, muito se fala sobre a influência da “pós-verdade” em eventos como o Brexit ou a eleição de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos. Da mesma maneira, é crescente a demanda por uma resposta à proliferação de tais conteúdos.

Foto: Bruno Lavorato/Café Editora
                                       Foto: Bruno Lavorato/Café Editora

Embora estejamos diante de um árido debate, alguns dos seus desdobramentos nos oferecem material farto para a reflexão. Desde a virada do século XXI, o pessimismo caracteriza as previsões sobre o futuro da chamada “imprensa tradicional”. Por que consumidores pagariam por informação quando podem acessar páginas na Internet com conteúdo integralmente gratuito? Ao que parece, a emergência das chamadas “notícias falsas” trouxe algum fôlego para a imprensa tradicional.

Vejamos o caso do New York Times. Dados disponibilizados recentemente mostram que, em 12 meses, o número de assinantes do jornal aumentou 59,3%, atingindo a marca de 2,48 milhões de pessoas. Apenas no segundo trimestre de 2017, 154.000 pessoas passaram a pagar pela informação disponibilizada pelo diário estadunidense.  Entre os fatores que explicariam o renascimento do interesse por assinaturas de veículos pertences à imprensa tradicional, um chama a atenção: parcela crescente do público passou a refletir sobre a importância dos processos na produção de uma notícia.

Evidentemente, fazer algo bem feito custa caro. Logo, antes de consumir, faz-se necessário entender quem está pagando a conta. A decisão de gastar dinheiro para obter informação se justificaria não apenas pela busca por uma fonte confiável, mas também pelo apoio à produção de uma matéria-prima vital para o bom funcionamento da democracia.  Ainda assim, lutar contra tendências de longo prazo é uma tarefa inglória.

Para os próximos anos, o desafio será encontrar a proporção ideal entre o oferecimento de conteúdo gratuito e pago. Diversos modelos têm sido testados, refletindo as particularidades de cada uma das organizações dedicadas ao oferecimento de conteúdos. De qualquer maneira, o cenário atual nos permite pensar sobre a importância dos processos – e o quanto nossas decisões como consumidores ajudam a explicar a forma como o mundo funciona. Ao premiarmos a excelência, ou aquilo em que confiamos, expressamos nossas preferências em relação à organização da sociedade em que vivemos.

A tecnologia tem contribuído para a rápida redução dos custos em uma série de setores da economia. Em outros, tem causado rupturas. Entretanto, o avanço tecnológico não deveria ser visto como uma panaceia. Não raramente, o processo que leva à produção de um bem final exige a manutenção de práticas consolidadas.

A lição, válida para veículos de comunicação, também se aplica a outras áreas. Assim como com as “notícias falsas”, consumidores de todo o mundo estão começando a entender que a forma como um alimento é produzido pode afetar sua saúde ou o futuro de comunidades inteiras.

De fato, é crescente o número de pessoas dispostas a “pagar” por um processo de produção específico ao comprar alimentos. É provável que a preocupação com questões como a mudança climática e os fluxos de migrantes potencializem ainda mais tal predisposição. Nesse sentido, o Brasil precisa aperfeiçoar sua capacidade de explicar ao mundo aquilo que nos torna únicos quando o assunto é agricultura.

Da mesma maneira, necessitamos refletir: até que ponto adotamos processos dotados de um valor intrínseco? São tais processos capazes de conquistar a confiança de consumidores exigentes? Perceber a natureza das transformações em curso pode garantir uma dupla vitória. Alguns parágrafos atrás, afirmei que o avanço tecnológico não é uma panaceia. Quando bem utilizada, porém, a tecnologia nos permite atingir públicos cada vez mais amplos.

Colherão os frutos empreendedores capazes de entender a importância dos processos e de utilizar a tecnologia para consolidar sua reputação junto a consumidores dispostos a gastar um pouco a mais por uma causa. Com uma rica tradição de inovação organizacional, a agropecuária brasileira pode e deve vender mais do que commodities. Cada vez mais, devemos nos diferenciar por nossas práticas.

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do CaféPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

BRUNO VARELLA MIRANDA

Doutor em Economia Aplicada pela Universidade de Missouri - Columbia.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

BRUNO VARELLA MIRANDA

PESQUISA/ENSINO

EM 04/12/2017

Prezado Eustaquio,



Muito obrigado pelo comentário. O seu relato é muito interessante: há muito a ser discutido sobre a questão do acesso à tecnologia ao longo do enorme território brasileiro. Acredito que essa é uma das chaves para a construção de comunidades rurais resilientes em nosso país.



Atenciosamente,



Bruno Miranda
EUSTAQUIO AUGUSTO DOS SANTOS

EM 01/12/2017

Parabéns pelo artigo. A abordagem foi muito feliz.

Sou cafeicultor na região da Serra Das Abelhas, Três Corações (MG) e por aqui temos acompanhado o desenvolvimento tecnológico e suas aplicações na cultura do café. Imagina que há três anos não tínhamos internet? E sinal de telefonia era muito escasso, só no alto da Serra? Pois foi através do convencimento de empresário de Varginha que bancamos uma antena e hoje posso estar, aqui na roça, escrevendo esta postagem. O CaféPoint é um site muito bom. Leio diariamente.