FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Brasil: país protecionista?

POR SYLVIA SAES

E BRUNO VARELLA MIRANDA

BRUNO VARELLA MIRANDA

EM 31/05/2012

2
0
Quem vive no Brasil certamente já percebeu, comentou ou foi alertado sobre a presença crescente de produtos importados no mercado nacional. Trata-se de um tema discutido abertamente: os artigos chineses, especialmente, constituem motivo de temor entre os que discorrem sobre o tema. Logo, o Brasil é um país aberto ao comércio internacional, certo? Errado. Ao menos entre os jornalistas e especialistas espalhados ao redor do mundo, o país é visto como um dos mais protecionistas entre as "economias de mercado". Os dados compilados pelo Global Trade Alert, por exemplo, mostram realidade distinta. Segundo o sítio, o Brasil está entre os países que mais implementaram medidas protecionistas nas últimas doze semanas, atrás da Argentina e da China. A pergunta que emerge é: quais os efeitos disso para o país?

Uma resposta categórica é tarefa das mais difíceis. Podemos, porém, apontar alguns fatores que merecem atenção. O primeiro deles diz respeito à imagem do Brasil nos debates internacionais. Evidentemente, lutar pela liberalização comercial em tal contexto torna-se tarefa das mais difíceis. O governo brasileiro certamente teria interesse em liberalizar uma série de setores, especialmente na agricultura, mas o clima definitivamente não é dos melhores. É bem verdade, a culpa deve ser dividida entre todos: nunca houve, do outro lado da mesa, vontade suficiente para uma abordagem do tema que abarcasse toda a sua complexidade, de modo que cada lado defende aquilo que considera a parte mais fraca no jogo. Do nosso lado, serviços e setores estratégicos da indústria; do lado de lá, os produtores agrícolas.

O segundo fator é uma condicionante que, no curto prazo, ata as mãos do governo brasileiro. Somos vizinhos, e parceiros comerciais, da atual campeã mundial de protecionismo, a Argentina. O resultado é que o Mercosul, outrora visto como um projeto ambicioso de liberalização comercial regional, hoje convive com restrições e a troca de acusações. Após sofrer com as barreiras impostas pelo governo de Cristina Kirchner, não restou ao Brasil outro remédio: devolvemos na mesma moeda. No interior do bloco até somos capazes de oferecer respostas de curto prazo, consideradas atos fundados na "boa vontade" em relação ao outro. É inimaginável, porém, um progresso no tema caminhando com um parceiro com uma visão tão distinta do tema.

É conveniente, porém, o protecionismo? Baseado nos dois fatores acima, é evidente que o Brasil não tem a obrigação de abrir mercados quando, no mundo desenvolvido, a resistência é enorme. Por outro lado, uma escalada no protecionismo, com a erosão de conquistas já obtidas nos diálogos, é extremamente perigoso. Veja-se o exemplo da Argentina: em sua corrida protecionista, o país acabou por conceder a uma pessoa, o secretário de Comércio Interior, Guillermo Moreno, a responsabilidade de dizer o que pode e o que não pode entrar no país. Os efeitos, no médio prazo, têm tudo para ser nocivos: tanto poder na mão de uma pessoa não costuma acabar bem, seja porque abre espaço para a corrupção - problema já endêmico na América Latina -, seja porque tende a aprofundar as distorções no mercado nacional. Afinal, será uma única pessoa capaz de dizer o que é relevante para uma estrutura extremamente complexa, como o mercado argentino?

De qualquer maneira, é fundamental lembrarmos que a imposição de medidas protecionistas não substitui medidas mais importantes, como a realização de reformas mais profundas na economia. O Brasil há muito vacila ao não fazê-las; no longo prazo, estimular a inovação de forma mais intensa, desburocratizar a atividade econômica cotidiana e racionalizar o sistema tributário são iniciativas certamente mais importantes do que a imposição de remédios de curto prazo. Devemos, então, usar os tempos difíceis para planejar o futuro, e não apenas para dar respostas para as próximas semanas. O próprio contexto de crise deveria nos ajudar, e não o contrário: preocupados com as suas próprias economias, países que nos pressionam diminuíram o ímpeto, de modo que temos maior margem de manobra para discutir nossos gargalos sem muito dos pitacos parciais de sempre.

Portanto, uma abordagem equilibrada é importante. Por um lado, o Brasil deve consolidar os avanços na abertura do mercado nacional nas últimas décadas, trabalhando para que essa maior exposição contribua para o dinamismo da economia interna. Em outras palavras, uma competição com a Argentina nesse quesito é altamente nociva para o país. Por outro, deve trabalhar para que a imagem alardeada de que é um dos mais protecionistas seja combatida. No mesmo sítio, vemos que o Reino Unido, bastião histórico do liberalismo econômico, também andou tendo as suas recaídas. Dessa maneira, longe de cair na tentação de fechar as fronteiras a tudo o que vem de fora, devemos demonstrar que a abertura é promovida com a criação de confiança entre as partes e, principalmente, acompanha a evolução institucional do país. Espera-se, portanto, que a eventual abertura do mercado brasileiro no médio prazo seja o resultado de um debate de alto nível acerca dos nossos próprios gargalos institucionais internos.






SYLVIA SAES

Professora do Departamento de Administração da USP e coordenadora do Center for Organization Studies (CORS)

BRUNO VARELLA MIRANDA

Professor Assistente do Insper e Doutor em Economia Aplicada pela Universidade de Missouri

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

BRUNO VARELLA MIRANDA

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 13/06/2012

Prezado Willian,



Agradecemos o comentário. O Brasil, de fato, vem tendo uma atuação ativa na defesa daquilo que considera ser os seus interesses na esfera comercial. Só acredito que devemos ter cuidado para não exagerarmos na dose; afinal, dependemos do mercado internacional não apenas na hora de comprar produtos, mas sim para vender aquilo que temos que mais competitivo.



Atenciosamente



Bruno Miranda
WILLIAN JOSÉ GOULART

MUZAMBINHO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 09/06/2012

na minha opinião o pais deve obedecer o criterio da reciprocidade, nosso pais é soberano e deve responder a altura, sob pena de sermos ridicularizados.