FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Ações coletivas e o café: o futuro da ABIC

POR BRUNO VARELLA MIRANDA

E SYLVIA SAES

BRUNO VARELLA MIRANDA

EM 19/07/2011

0
0
A troca de comando na Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC) e a saída de duas importantes empresas da associação nos convida à reflexão. Personagem central em diversos acontecimentos observados nas últimas décadas, a ABIC entra em uma fase de reacomodação dentro da dinâmica do setor. Se compararmos a realidade atual com aquela encontrada no início da década de 1990, por exemplo, veremos que o Brasil - e o mundo - mudaram muito. Como se adequar, então, aos novos tempos?

Graças ao eficiente trabalho realizado nos últimos vinte anos, já não nos preocupa a perda de interesse do consumidor pelo café. Na atualidade, o que ocupa nosso pensamento são as possíveis oportunidades de diferenciação, em um contexto marcado pela competição acirrada. O avanço de gigantes no setor no mercado brasileiro pode passar a impressão de que o futuro será de poucas empresas. Consideramos, porém, que em meio à concentração no setor, a conscientização progressiva do consumidor brasileiro abre espaço para a sobrevivência de muitas empresas de médio porte, especialmente aquelas capazes de entender as novas tendências.

É aí que entra a ABIC. Estratégias coletivas seguem fundamentais para o setor. Se há algo que aprendemos nas últimas décadas, é que essas ações são complexas. Confiar apenas no governo é um grave equívoco, pelas restrições adicionadas à ação econômica; apelar para a lógica "do cada um por si" pode ser ainda pior, particularmente para as pequenas e médias emrpesas. O que o setor precisa é da existência de canais de diálogo que possibilitem o amadurecimento de consensos, o aproveitamento de possibilidades de cooperação e o diálogo com a sociedade. Se algumas gigantes abandonaram o barco, por confiarem em sua capacidade de adotar estratégias individuais, tudo bem; ainda assim, segue incontestável a relevância da ABIC.

O trabalho da associação na divulgação de campanhas de esclarecimento aos consumidores é conhecido de todos. Na atualidade, é necessário nos questionarmos se o fluxo de informação entre os associados, ou ainda, a produção de informação relevante a essas empresas está sendo adequadamente realizado pelo setor. Embora a inovação seja algo realizado no interior das empresas e, portanto, dependente de transformações nas organizações, estratégias de ação coletiva podem auxiliar no fornecimento de informações fundamentais para a identificação de oportunidades de negócio. A ABIC, nesse sentido, pode contribuir para a criação de um ambiente propício para a produção e disseminação dessa informação relativa ao mercado.

Adicionalmente, vemos com bons olhos a ideia da nova diretoria de empreender a reorganização da associação e, em especial, de estimular as empresas a buscarem o mesmo caminho. Nesse espírito, é provável que vários desafios comuns possam ser enfrentados por meio do estabelecimento de ações coletivas no âmbito da ABIC.
Juntamente com o governo, consideramos ser necessária a estruturação de um plano para a inserção do café torrado e moído brasileiro no exterior. Que essa estratégia seja consolidada em um cenário marcado pela transparência e pelo debate entre as partes interessadas.

Oportunidades de diferenciação em mercados consolidados, ou a entrada nos novos mercados, devem ser analisados com o mesmo carinho; afinal, cada nicho pode esconder oportunidades para um determinado grupo de empresas. De qualquer maneira, consideramos que a inovação deve ser o foco, e não a ideia da existência de "campeãs nacionais" a qualquer custo, algo observado em outros setores.

O mais difícil na adequação aos novos tempos é a sua dificuldade de leitura. Os fatos vão ocorrendo no calor da luta, e a adaptação é um imperativo. Daí a importância de espaços em que os agentes possam estruturar planos de cooperação. Dividir as responsabilidades e aumentar a probabilidade de acerto constituem benefícios que superam qualquer vantagem derivada de uma ação egoísta no curto prazo. Para tanto, é preciso que os participantes sejam a razão de existência da associação. Independentemente do rumo que tomar, confiamos que a ABIC seguirá essa orientação.

BRUNO VARELLA MIRANDA

Professor Assistente do Insper e Doutor em Economia Aplicada pela Universidade de Missouri

SYLVIA SAES

Professora do Departamento de Administração da USP e coordenadora do Center for Organization Studies (CORS)

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.