FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

A sustentabilidade e a economia: convivência difícil

POR SYLVIA SAES

E BRUNO VARELLA MIRANDA

BRUNO VARELLA MIRANDA

EM 15/10/2010

3
0
Uma grande vantagem da existência da Internet é a possibilidade da troca de impressões acerca dos mais variados temas. Sítios como o CaféPoint, nesse sentido, facilitam os debates, ao propor temas e convidar os leitores a darem sua opinião. Há alguns dias, a bola da vez foi a sustentabilidade: por meio do preenchimento de um questionário, era solicitado aos cafeicultores que expusessem seu ponto de vista.

Um ambiente em que o debate é estimulado beneficia a todos, especialmente quando exercitamos nossa capacidade de autocrítica. A sustentabilidade é um dos temas que mais nos forçam a refletir sobre as bases de nossos raciocínios, dado que envolve variáveis conflitantes. Para pesquisadores acostumados ao modo de pensar dos economistas, há poucos exercícios mais desafiadores do que a reflexão acerca do significado da sustentabilidade.

Isso porque, em grande medida, o ferramental teórico usado pelos economistas ignora as limitações proporcionadas pelo meio físico. Mais especificamente, este é acompanhado de um considerável otimismo tecnológico: para os desafios do futuro, há a percepção de que o ser humano encontrará formas de adaptação e, mais importante, para a eventual escassez de recursos haverá sempre a possibilidade de encontrar alternativas.

A influência dessa forma de pensar sobre as conclusões é notável. Diversas análises pecam ao submeter a questão da sustentabilidade a uma lógica de pensamento que não a considera. Em outras palavras, aponta soluções para um desafio que não reconheceria caso não fosse alertado por olhares de fora. É como se, de repente, um corpo de ideias estruturado com fins bastante específicos fosse capaz de explicar qualquer problema pelo simples fato de apresentar uma lógica interna coerente!

No caso da relação entre a sustentabilidade e os economistas, uma falha comum está na reduzida importância que as variáveis ambientais adquirem diante das reflexões acerca do lucro e da eficiência. Embora se trate de uma noção recheada de polêmicas, pode-se dizer que a sustentabilidade está diretamente relacionada com a capacidade de um ecossistema, por exemplo, de voltar ao seu estado original após sofrer uma modificação. Nesse sentido, as intervenções humanas no meio físico devem ser estudadas segundo a capacidade do entorno de manter suas características, e não apenas em termos do funcionamento do sistema econômico.

Reconhecer que os humanos podem desestabilizar um ecossistema, porém, implica o abandono do otimismo tecnológico que acompanha a maioria dos economistas. E é aí que mora o problema: não por acaso, é comum nos depararmos com discussões que se limitam a destacar a importância do aumento da eficiência no uso de recursos. Evidentemente, trata-se de um tópico de fundamental importância; seu debate, entretanto, independe do reconhecimento de que o meio ambiente importa, dado que os argumentos de ordem econômica são suficientes para justificar essas medidas.

Por isso, chega a ser irônico, mas muitos daqueles que deveriam ajudar podem estar atrapalhando. Amparados em um ferramental inadequado, pesquisadores têm respondido questões acerca da sustentabilidade sem fazê-lo de fato. Dessa maneira, pouco temos contribuído para preparar os humanos para a eventual necessidade de mudança de rumos. Especialmente na área das ciências humanas, ainda é longo o caminho até que possamos dizer, em uma análise autocrítica, que entendemos plenamente qual é o nosso papel no processo de readequação da convivência entre os seres humanos e o meio ambiente.

A notícia boa nessa história toda é que respostas muito interessantes tenderão a sair daqueles que vivem o cotidiano dessa relação. Entre os agricultores, a observação dos limites do meio ambiente poderá inspirar os pesquisadores, motivando-os a enriquecer sua compreensão da realidade. Enquanto isso, resta-nos seguir fazendo a lição de casa, moldando a lógica de pensamento que norteia nossas análises de modo a compreender de maneira efetiva a relação entre o meio ambiente e nossa rotina econômica e social. É provável que os próximos capítulos reservem importantes novidades.

SYLVIA SAES

Professora do Departamento de Administração da USP e coordenadora do Center for Organization Studies (CORS)

BRUNO VARELLA MIRANDA

Professor Assistente do Insper e Doutor em Economia Aplicada pela Universidade de Missouri

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

BRUNO MANOEL REZENDE DE MELO

GUAXUPÉ - MINAS GERAIS - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 23/10/2010

A cerca da sustentabilidade, nós já temos bastantes informaçoes de como busca-la, mas falta algo crucial para que isso possa ser feito; Precisa que nós seres humanos atentemos para as questões que estão a nossa volta, que mudemos nosso mundo, e que cada ser faça o mesmo, pois atitudes simples do dia dia, nos remeterá com as grandes questões que envolvem a sustentabilidade, ou seja essa prática é feita em todos os meios inclusive dentro da sua casa, precisamos nos sensibilizar com os problemas e perceber que com a sustentabilidade os beneficios a médio e a longo prazo são favoraveis, mas isto é uma tarefa dificil, que cabe a educação, a legislação, o respeito pelo proximo, a solidariedade de cada um para com o nosso mundo, etc... trabalhar mecanismo para que busquemos algo em comum, o bem estar de todos neste planeta, este que nos hospeda, parece um tema filosofico, mas ele pode se fazer mais pratico do que imaginamos...
CARLOS EDUARDO COSTA MARIA

ANHEMBI - SÃO PAULO - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 19/10/2010

Muito interessante o tema e parabéns pela clareza e lucidez com que os autores conseguiram imprimir no artigo um assunto que gera diversas interpretações.O termo sustentabilidade que é fruto de um olhar não cartesiano do nosso universo leva em conta a interação não somente de fatores (bióticos e abióticos),mas principalmente, as condições humanas em todo o processo, buscando assim, práticas que resultem em menos agressão ao meio ambiente e que ao mesmo tempo promovam uma qualidade de vida melhor com o bem estar de todas as espécies do nosso planeta numa relação cada vez mais harmoniosa, para que as gerações futuras tenham na "nave" Terra todas as condições de navegabilidade.
ARTUR QUEIROZ DE SOUSA

CAMBUQUIRA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 16/10/2010

Parabéns aos amigos do Pensa, pelo artigo. Sei que a convivência entre sustentabilidade e a economia é difícil, porém não é impossivel.
Creio que não existe sustentabilidade ambiental, social, sem haver sustentabilidade financeira. Mesmo porque ela é que torna viavel as socio-ambientais. Por outro lado, dá para fazer sustentabilidade ambiental, de forma racional, da maneira com que aprendemos com nossos antecessores. E sustentabilidade social, tem que ser exercida de forma racional. De qualquer maneira, tem que haver mudança de atitude, do ser humano, e acima de tudo vontade de ajudar, de mudar conceitos, de aceitar o novo, de reiventar.