FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Cafeicultor: um produtor econômico racional1

POR CELSO LUIS RODRIGUES VEGRO

CELSO VEGRO

EM 13/10/2010

0
0
Talvez, uma das mais relevantes dificuldades para que os produtores rurais delineiem estratégias comerciais exitosas é a falta de hábito em monitorar seus custos de produção. Ao deixar de contabilizar adequadamente seus custos, torna-se praticamente impossível aferir se os resultados obtidos são ou não economicamente satisfatórios após concluída a comercialização.

Tendo tal premissa em tela, a equipe responsável pela previsão de safra de café no Estado de São Paulo2, decidiu inserir no questionário, pergunta sobre qual o custo que o cafeicultor crê incorrer para a obtenção de uma saca de produto beneficiado.

Tabela 1 - Cópia Fax Símile da Pergunta do Questionário, Previsão de Safra de Café, Estado de São Paulo, jul.-ago./2010



Com a aplicação dessa pergunta os pesquisadores tiveram por intenção colher a resposta espontânea dos cafeicultores sobre a estimativa que possuem para os custos de sua exploração. Os resultados obtidos foram consolidados para as regiões, Estado e dimensão da área com café explorada pelos cafeicultores. Os custos médios unitários declarados foram convertidos em custos por área (multiplicando-os pela produtividade média), os quais permitem uma melhor visualização dos resultados obtidos.

Tabela 2 - Custos declarados por porte do cafeicultor, Estado de São Paulo, ago.2010



As discrepâncias dos custos por área obtidos decorrem de diversos fatores que contemplam desde características edafoclimáticas prevalecentes em cada região de estudo até o grau de adensamento em que as lavouras são cultivadas. Também, era esperado que os custos variassem com a dimensão e a modalidade de gestão conduzida na propriedade, ou seja, cafeicultores de perfil familiar (pequenas dimensões exploradas) com uma estimativa de custo menor que os empresariais (médias e grandes dimensões).

Os cafeicultores que dispõe de áreas acima de 100,01 ha, situados na região da Alta Mogiana de Franca, declararam possuir maiores custos de produção, R$ 7.691,52/ha. Por outro lado, os cafeicultores das demais regiões do Estado com até 20 ha explorados com a cultura declararam os mais baixos custos por área, contabilizando apenas R$ 4.816,00/ha. Aparentemente, tal patamar pode decorrer da pouca especialização na cultura e aplicação de técnicas de manejo agronômico com baixa utilização de insumos modernos.

As médias de custo obtidas a partir do valor declarado pelos entrevistados encontram-se bastante aderentes aos resultados de levantamento efetuado pela Confederação Nacional da Agricultura - Projeto Campo Futuro3. Em duas regiões paulistas em que prevalece a cultura do café, em Piraju e Altinópolis, os técnicos do projeto contabilizaram para a safra 2010/11 valores de R$ 6.651,50/ha e R$ 6.070,77/ha de custo operacional efetivo (COE), respectivamente. Os estudos de caso se basearam em propriedade de 50 ha e 20sc/ha de produtividade em Piraju e 70 ha e 25 sc/ha em Altinópolis, correspondendo ao tipo segmentado dentro deste estudo entre 20ha e 100ha.

O percentual de cafeicultores entrevistados que informaram desconhecer os seus custos não foi expressivo, excetuando-se entre os cafeicultores acima de 100,01ha de exploração. Entre esses produtores o desconhecimento dos custos alcançou 14% dos entrevistados. Aparentemente, tal resultado decorre da informação ter sido colhida junto aos administradores e/ou gerentes, que evitaram revelar dados provavelmente considerados "sigilosos".

Outro recorte possível para a apreciação dos dados coletados para a questão diz respeito à situação do cafeicultor quanto sua residência ou não no estabelecimento. Nesse caso, a hipótese de trabalho foi a de que os cafeicultores residentes possuem avaliação mais criteriosa dos custos incorridos na produção. Considerando o resultado médio para o Estado, o custo por hectare cultivado entre os cafeicultores residentes alcançou R$ 5.471,95, enquanto entre os não residentes foi de R$ 5.399,12. Portanto, a eleição do local de residência do cafeicultor como critério para a obtenção de melhores estimativas de seus custos não confirma a hipótese inicial uma vez que os custos entre ambos os tipos são similares.

Constatar que os cafeicultores possuem precisa noção de seus custos permite uma compreensão mais objetiva da maneira com que conduz seu trabalho. Ainda que muitas vezes não metodologicamente formalizado, os cafeicultores produzem cálculo econômico de seu esforço produtivo. Conhecer seus custos de produção significa que os cafeicultores encontram-se sensíveis às cotações prevalecentes no mercado4. Essa observação confirma a tese de PASTORE (1968)5 ao sentenciar que os produtores respondem a preços e a oferta de alimentos no Brasil, poderia encontrar solução por meio do funcionamento dos mecanismos de formação de preços do mercado.

Posicionar-se como um ofertante racional, permite-se deduzir que sob conjuntura de prolongada baixa cotação ocorre a inibição das despesas variáveis (mensuradas pelo COE) com redução do emprego de tecnologia agronômica nos talhões cultivados deprimindo, conseqüentemente, a produtividade. Ademais, as políticas públicas precisam gerir a formação de seus preços visando conferir estabilidade econômica com a construção de horizonte de ingressos monetários positivos para a atividade.

Tal postulado não ampara as tentativas de tutela sobre o agronegócio café, mas procura enfatizar que os cafeicultores ao exibirem racionalidade econômica refinada, demandam políticas públicas que lhes confiram horizonte, mantendo-o como representante típico da chamada "classe média rural". Assim, os preços mínimos de referência além de cobrirem os custos operacionais efetivos desembolsados com a produção, precisam conferir uma vantagem financeira para que essa classe média rural não esteja permanentemente submetida à gangorra do mercado. Com o mercado em alta os gestores públicos têm a possibilidade de desenhar tais preços com o cuidado de tomar como exemplos os cafeicultores mais adiantados tecnologicamente, selecionando variáveis como o grau de adensamento e o emprego de fertilizantes e corretivos de solo como modelos de cafeicultura que se almeja: competitiva e de alta qualidade da bebida.

1 Estudo integrante do projeto CONAB/CATI/IEA, Carta Acordo n.10.971/2010. Os autores agradecem a equipe da CATI que ativamente colabora com o êxito desse projeto.

2 A metodologia para obtenção dos dados primários foi baseada em desenho de amostra probabilística estratificada dos informantes do Levantamento Censitário de Unidades de Produção Agropecuária 2007/08 (Projeto LUPA).

3 Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e Universidade Federal de Lavras (UFLA). Projeto Campo Futuro, ago.2010 (mimeo)

4 As cotações do café lideram a alta observada para o conjunto de commodities transacionadas em bolsa com alta acumulada (para o arábica) superior aos 22% no ano e 34% nos doze meses contados entre agosto de 2009 e o mesmo mês de 2010.

5 PASTORE, Afonso C. A resposta da produção agrícola a preços no Brasil. FEA/USP. São Paulo, 1968 (Tese de Doutorado).

CELSO LUIS RODRIGUES VEGRO

Eng. Agr., MS Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade. Pesquisador Científico VI do IEA-APTA/SAA-SP

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.