FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Café: estultices governamentais

POR CELSO LUIS RODRIGUES VEGRO

CELSO VEGRO

EM 03/09/2008

5
0
1 - Mercado1

Nas bolsas em que o produto é negociado, em agosto de 2008, observaram-se ligeiras quedas na média das cotações frente ao mês anterior. Em Nova Iorque (contrato C em segunda posição - em US$/sc.), por exemplo, a cotação média do mês foi de US$ 188,38/sc contra US$ 188,94/sc em julho, ou seja, 0,29% de declínio. O incremento dos embarques de nossos concorrentes foi parcialmente compensado pelo retraimento das negociações no Brasil, induzindo o mercado a essa relativa estabilidade.

Acompanhando Nova Iorque, na BM&F/Bovespa, a média das cotações de agosto ficou em US$ 171,43/sc, com perdas de -0,57% no mês. Maiores perdas foram registradas nas cotações do robusta na Bolsa de Londres com queda de -2,85%, refletindo justamente a intensificação dos embarques vietnamitas observados em agosto. Contabilizadas todas essas perdas, o índice composto da OIC para agosto exibiu declínio de -1,23%, com média ponderada de US$ 173,47/sc (Figura 1).


Figura 1 - Cotações médias mensais do café em diferentes mercados de futuros (segunda posição) e do OIC-Composto diário, janeiro de 2004 a agosto de 2008.
Fonte: Elaborada a partir de dados da Gazeta Mercantil2

Entre janeiro e agosto de 2008, as cotações exibiram melhores ganhos para o robusta com 15,87% de variação positiva, na Bolsa de Londres, e o pior resultado para o arábica BM&F/Bovespa, com apenas 2,51% de aumento. Considerando os últimos 12 meses, as cotações se elevaram em 19,26% em Nova Iorque e em 21,04% para os preços recebidos pelos cafeicultores paulistas (Tabela 1).

Tabela 1 - Variação nas cotações médias do café, set/2007 a ago/2008 (em US$/sc 60kg)


Fonte: Elaborado a partir de dados básicos da Gazeta Mercantil.

2 - Pepro II: ter por meta o êxito

Por pressuposto, os fundamentos para a proposição de políticas públicas estão associados à capacidade de selecionar, dentre as diferentes alternativas (não somente as possíveis como as plausíveis), aquela(s) que melhor contribuem para o crescimento econômico e desenvolvimento, traduzido pela consubstanciação de patamar mais elevado de bem-estar, e cimentado por menos acentuado grau de heterogeneidade social, fenômeno tão característico do tecido social brasileiro.

Diante dessas premissas é que se permite analisar se o Prêmio Equalizador Pago ao Produtor (Pepro), em sua edição anterior, atingiu as metas precípuas de uma boa política. Em análises anteriores, destacou-se que seus vícios de origem (erro de oportunidade, baixa abrangência e desenho deficiente)3, o impediu de alcançar bom termo. Para confirmar tal assertiva, averigúe-se o intenso debate sobre o assunto travado na mídia especializada nos últimos meses4.

Para a nova edição do Pepro compete tecer outros detalhamentos relevantes, sempre tendo por meta o êxito da política. Assim, podem-se aplicar algumas hipóteses para avaliar a consistência da política, como: desvio de foco; nível de interferência no funcionamento do mercado; transparência; grau de burocratização e gestão.

Na primeira versão do prêmio houve imensa perda de foco ao se permitir o livre acesso de imenso número de cafeicultores empresariais ao subsídio pago pelo Tesouro. Nessa nova edição se poderia vincular a compra dos contratos de prêmio apenas para os cafeicultores adimplentes junto ao Funcafé e demais carteiras de financiamento rural. Em análise anterior, comprovou-se que os pequenos empréstimos, de até R$ 10 mil possuem menos de 2% de inadimplência enquanto que os acima de R$ 500 mil, mais de 30%. Assim, seria dado o primeiro passo para a criação do cadastro positivo da cafeicultura, com acesso ao Pepro apenas dos cafeicultores adimplentes e cujas amortizações estão em dia.

O Pepro carrega, intrinsecamente, grande interferência no funcionamento do mercado. O fluxo de comercialização do qual dependem outros importantes elos do agronegócio (exportadores, corretores, torrefadores e solubilizadores) beira o colapso, pois se cria um clima de expectativas de preços futuros mais compensadores (evidentemente pejado pela certeza de captura do subsidio) e assim paralisação imediata dos trâmites comerciais. Ao interferir no mercado, ensina a boa economia, são criadas assimetrias em que justamente aqueles que mais necessitam do apoio concedido pela política pública, são os que menos delas se beneficiam. Também perdem os cafeicultores empresariais, pois na expectativa de adquirir seus contratos de Pepro deixam de se proteger pelos tradicionais mecanismos de hedge em Bolsa, contribuindo assim, a política, para um desaprendizado dessa importante ferramenta de gestão da comercialização.

O terceiro elemento fundamental dessa estrutura de análise traduz-se pela transparência de mercado. O prêmio em sua versão anterior, ao atender preferencialmente as cooperativas de cafeicultores, tornou o desembolso uma verdadeira caixa preta, impossível inclusive de ser auditada, como pleiteiam os representantes do Cecafé5. Diante desse incomensurável erro anterior não seria pertinente propor uma nova modalidade de leilão dos contratos aproveitando-se da estrutura absolutamente eficaz e transparente executada pelo Banco do Brasil em seus rotineiros leilões de cafés pertencentes aos estoques públicos. Por meios eletrônicos, qualquer torrefadora do país pode se credenciar à aquisição dos lotes oferecidos e os lances podem ser acompanhados por todos os participantes do aviso de venda. Com a maior facilidade desse mundo, poderia o mesmo sistema ser empregado nos leilões de contratos do Pepro e a própria instituição financeira, a receptora dos depósitos referentes a cada contrato negociado. Sistema limpo, claro, transparente, como recomenda a boa política.

Ao ser implementado pela Conab, a versão anterior do Pepro foi eivada por excesso de burocracia. Enorme contingente de cafeicultores, especialmente os familiares não participantes de cooperativas de produção, praticamente não teve como participar dos leilões, criando-se assim um privilégio absolutamente espúrio. A desburocratização é uma exigência para a eficácia da política e para isso bastam poucas medidas como a verificação da adimplência do CPF do adquirente junto ao Cadin para o credenciamento da aquisição, por exemplo.

Finalmente alcançamos a problemática da gestão. Em se tratando de um subsídio concedido pelo Tesouro aos cafeicultores que adquirirem os contratos por meio do pagamento do respectivo prêmio associado, a estrutura que mais bem pode gerir essa política é a burocracia de governo, ou seja, técnicos devidamente habilitados relativamente imunes à ação de lobbies interessados em capturar privilégios para qualquer uma das partes envolvidas. Em se tratando de dinheiro público, derivado do recolhimento de impostos, somente uma gestão eminentemente pública pode lograr o pretendido êxito no desejável esforço de proteção da renda dos cafeicultores.

3 - Carência de discernimento

Elevam-se as cotações dos fertilizantes a patamares jamais vistos. Fatores de toda a sorte contribuíram para que a atual escalada de preços se acentuasse. Desde a especulação financeira com as commodities (petróleo, metálicas e agrícolas), até a crise imobiliária estadunidense com depreciação global da cotação do dólar e risco de colapso de inúmeras instituições financeiras, pressionaram as cotações dos fertilizantes, e de seus ingredientes estratégicos, para as alturas.

Diante de tais cotações, absolutamente desconfortáveis para os produtores agrícolas, a estrutura de governo (presidente, ministro, assessores) se mobilizou para encontrar alternativas capazes de mitigar os impactos anunciados sobre os custos de produção6. Todavia, o que verdadeiramente prevaleceu nas opções apresentadas, foi uma imensa insensatez, permeada de tentativas de pressionar o setor privado em acelerar os investimentos na produção de fertilizantes, rumo a uma auto-suficiência almejada para o prazo de cinco anos. Alcança-se então o apogeu da insensatez quando o ministro afirma que partirá para a criação de empresas públicas dedicadas à atuação no segmento caso o seu prognóstico não se confirme, ou seja, uma volta ao passado antes do ciclo das privatizações7.

A oferta de jazimentos minerais, por si só, não permite o barateamento do preço final dos fertilizantes. Existe por detrás do produto uma série de transformações industriais em que alguns insumos são absolutamente estratégicos, nos quais o Brasil ainda encontra-se longe da auto-suficiência. São eles: gás natural, ácido fosfórico e ácido sulfúrico.

Ingrediente essencial para a produção de ácido fosfórico, o fósforo (ou P205) é combinado com a rocha fosfatada e ao ácido sulfúrico para produzir o fertilizante fosfatado8. As importações desse elemento se intensificaram após 2006, sendo que somente no primeiro semestre de 2008, tais transações se assemelham ao total negociado em 2006, evidenciando falta crônica de instalações industriais capazes de suprir repiques da demanda pelo nutriente, uma vez que a produção em 2008 deverá alcançar os mesmos patamares da observada no ano anterior (2,1 milhões de t) (Figura 2).


Figura 2 - Produção e Importação de Fósforo, Brasil, 2006, 2007 e jan-jun/2008.
Fonte: Boletim SIACESP9, vários números

Para o enxofre, ingrediente estratégico para a fabricação do ácido sulfúrico, a história se repete. Entre janeiro a junho de 2008, as importações atingiram 1,17 milhões de toneladas contra 950 mil toneladas importadas no mesmo período do ano anterior desse nutriente, ou seja, crescimento de aproximadamente 18% na comparação entre os períodos (Figura 3).


Figura 3 - Importação de Enxofre, Brasil, 2007 e jan-jun/2008.
Fonte: Boletim SIACESP, vários números

Tanto o ácido fosfórico como o sulfúrico são commodities. As cotações internacionais desses ácidos, em 2008, exibem significativos aumentos. O ácido fosfórico que era cotado em janeiro a US$ 460/t FOB, valia em junho US$ 1.875/t, ou seja, quatro vezes o valor inicial em apenas seis meses! Mais comportadas, as cotações do ácido sulfúrico também subiram, saltando de US$ 230/t para US$ 260/t entre janeiro e junho de 200810.

Outro importantíssimo insumo estratégico na produção de fertilizantes nitrogenados é o gás natural. Atualmente, o abastecimento da demanda brasileira de gás é quase que integralmente suprida pelas importações do produto boliviano. Recentes descobertas no litoral, a poucos quilômetros da costa da cidade de Santos, deverão propiciar a auto-suficiência na oferta do produto. Entretanto, os investimentos da Petrobras para operar nesse campo sequer começaram e, o achamento de outras tantas reservas de petróleo na mesma região de prospecção, introduziram um fortíssimo viés político quanto à forma de explorá-los que deverá atrasar ainda mais os investimentos na construção das plataformas11.

Enquanto as autoridades não definem o modelo que será empregado para explorar as reservas (gás e petróleo), a nação brasileira, especialmente, os agricultores que necessitam de fertilizantes para conduzir suas explorações agrícolas, continuarão a pagar mais pelos adubos, pois suas cotações internacionais continuam em ascensão. No caso dos fertilizantes nitrogenados, as cotações têm sido puxadas pelos preços do gás natural que acarretaram despesas com importações ao país da ordem de US$ 1,40 bilhão entre janeiro a junho de 2008 (preço médio do semestre de US$ 239,00/1.000 m3). Comparativamente, em todo o ano de 2007 as despesas com gás natural atingiram US$ 1,78 bilhão (preço médio de US$ 159,23/1.000 m3). Os preços subiram simplesmente por que não há oferta de gás em volume suficiente para atender, inclusive, a demanda das indústrias de fertilizantes (Figura 4).


Figura 4 - Importação de Gás Natural, Brasil, jan-jun de 2007 e 2008.
Fonte: Agência Nacional do Petróleo12

Diante dessas reflexões o que se pode concluir:

a) disponibilidade de jazimentos não se traduz em abundância de oferta de fertilizantes a preços competitivos;

b) existe imensa carência de investimentos públicos e privados no segmento de exploração mineral voltada para a produção de fertilizantes;

c) o debate sobre o grau de concentração do mercado é absolutamente irrelevante, pois a tecnologia de produção é totalmente madura e dominada, ou seja, inexistem barreiras à entrada de novas companhias interessadas no negócio excetuando-se a magnitude dos investimentos exigidos (que venham os chineses);

d) as poucas iniciativas de ampliação de capacidade instalada somente trarão impactos na oferta a médio prazo;

e) a insuficiência da produção doméstica de insumos estratégicos impede a formulação de qualquer política de ordenamento do mercado;

f) mesmo adotando algum tipo de subvenção ao produto, muito dificilmente as empresas, especialmente, a Petrobras, implantarão política de preços que não acompanhe as cotações internacionais para os recursos explorados em território nacional.

4 - Um adágio para a reflexão


"As orelhas dessa gente andam já tão entupidas que só à força de muita retórica se pode meter por elas um sopro de verdade"
Machado de Assis, Esaú e Jacó. W.M. Jackson Inc. Editores, 1946.



1 o Autor agradece as sugestões do Prof. Dr. Felix Schouchana da FGV/SP e a Gilberto Bernardi na colaboração na coleta e sistematização dos dados básicos.

2 Disponível em www.gazetamercanil.com.br (para assinantes).

3 Detalhes em:
VEGRO, C.L.R. Café: decisões adaptadas as conveniências do pecúlio. Revista eletrônica Análises e Indicadores do Agronegócio, out.2007. disponível em www.iea.sp.gov.br.
VEGRO, C.L.R. Café: estariam as cotações refletindo a ausência de precipitações? Revista eletrônica Análises e Indicadores do Agronegócio, out.2007. disponível em www.iea.sp.gov.br.

4 PIRES FILHO, G.B.A. Pepro, um programa marcado por desvios e distorções. Centro do Comércio do Café do Rio de Janeiro. Revista do Café, ano 87, n.826, junho 2008, 4-5p.

5 LOBATO, E. Exportador acusa desvio em verba de café. Folha de São Paulo, Caderno Dinheiro, 24/08/2008. LIAN, J. A. O cooperativismo e o Pepro, segundo o Cecafé. Gazeta Mercantil, Agronegócio, 14/08/2008. Pepro: sugestões sobre as normas que devem disciplinar o Programa e constar dos Avisos. Documento encaminhado pelo Cecafé à Conab (mimeo).

6 DURÃO, V.S.; LOPES, F. & VIEIRA, A. Pressão do governo acelera projetos na área de fertilizantes. Jornal Valor Econômico, 25/06/2008, p.B12.

7 A baixíssima qualidade das instituições no Brasil traz um grande temor quanto ao possível desempenho de empresas estatais ou outros tipos de autarquias que vierem a produzir fertilizantes ou explorar as jazidas de alto mar.

8 A Vale não pretende voltar a produzir fertilizantes no Brasil. Sua iniciativa está, atualmente, direcionada para a exploração de jazimentos fosfatados no Peru (DURÃO, et al, 2008). Portanto, qualquer transferência da futura produção naquele país para o Brasil se dará tendo em conta as cotações internacionais do produto.

9 Consultar www.siacesp.com.br.

10 Ao final de agosto a Câmara de Comércio Exterior reduziu as alíquotas de importação dos ácidos fosfóricos e sulfúrico que até então eram de 4%.

11 SCHUFFNER, C. Produzir mais fertilizantes depende da oferta de gás. Jornal Valor Econômico, 25/08/2008, p. A2. A notícia informa que as instalações produtoras de uréia da empresa não poderão ser ampliadas por atraso no cronograma de conclusão das obras do gasoduto que levaria o produto até a região nordeste.

12 Ver: www.anp.gov.br.

CELSO LUIS RODRIGUES VEGRO

Eng. Agr., MS Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade. Pesquisador Científico VI do IEA-APTA/SAA-SP

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSE EDUARDO REIS LEÃO TEIXEIRA

VARGINHA - MINAS GERAIS

EM 25/09/2008

Prezado Profº Celso

Agradeço. Vamos então exercer nossa capacidade intelectual, associada aos conhecimentos para propor soluções consistentes e tirarmos este "carro do atoleiro". Certamente, será uma satisfação propor, analisar e debater juntamente com você.

CELSO LUIS RODRIGUES VEGRO

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 24/09/2008

Prezado José Eduardo,

Seu desafio será aceito. Numa outra perspectiva pretendo eu desenvolver um raciocínio que vai dar muito o que falar. Veremos.

Abçs
Celso
JOSE EDUARDO REIS LEÃO TEIXEIRA

VARGINHA - MINAS GERAIS

EM 18/09/2008

A visão do fracasso X A visão do sucesso

Façamos uma analogia com nosso próprio estilo de pensamentos, exteriorizado através de artigos. Perceba que, basicamente utilizamos da razão ou lógica, para assim darmos a credibilidade ao tema exposto, porém necessitaremos adicionar o aspecto emocional, para com isto despertar a atenção e vontade da leitura.

Partindo deste raciocínio, vejamos então as diferentes formas de analisarmos a atividade ou talvez melhor expressada como sendo a sociedade produtiva cafeeira.

A sociedade produtiva se compõe necessariamente de dois fatores interligados, o homem e a atividade produtiva, ou geradora de trabalho, a qual ele a criou e se dedica.

Desta forma, na sociedade produtiva cafeeira, assim como seria em qualquer outra sociedade, se tivermos por intenção não apenas compreender, mas fundamentalmente contribuir para o crescimento desta, será preciso dissociar os dois elementos, homem e finalidade produtiva.

O homem é a causa maior da atividade, seu criador, sem a qual esta não existiria. Por outro lado a atividade seria a conseqüência das ações do homem.
Assim, ao avaliarmos a sociedade ou atividade produtiva cafeeira, estaríamos nos referindo à cafeicultura? Mas, o que significaria cafeicultura? Seria a atividade relativa à produção agrícola do café? E o homem, como e onde entraria nisto? Apenas com os braços para trabalhar, o rosto para se bronzear ao sol e o suor como forma de eliminar energias? Não teria nada além disto? Sendo isto verdadeiro, o fracasso ou sucesso de uma atividade ou sociedade teria por créditos apenas o trabalho?

Tenho a firme convicção de que em primeiro plano o cafeicultor se abandonou, se isolou do restante da sociedade e em conseqüência abandonado pelo sistema ou complemento social que a ele deveria apoiar. As pesquisas, apesar dos escassos recursos financeiros a que lhe são destinados mal consegue se impor ou prevalecer, a não ser em seu próprio ambiente cultural, com raríssimas exceções. O sistema de apoio utiliza-se como finalidade básica vender o que puder à cafeicultura, sendo que o fundamento, ou seja, o homem seria meramente o "resto". A inversão de valores é potencializada ao limite do descabido.

Como então deveremos avaliar a cafeicultura? Sob que cenário deveria ser analisada? Qual a denominação e titularidade que deveríamos nos utilizar ao avaliarmos e dimensionarmos soluções?
Bem, vou colocar aqui minha opinião, o que não poderia ser diferente.

A cafeicultura vai muito bem, principalmente sob os aspectos de ampliação, produção e qualidade do produto, mundialmente falando.

O cafeicultor, aquele que deveria ser o empreendedor, ou seja, o homem, no Brasil, vai muito mal, com algumas exceções provocadas pelo dinamismo empresarial ou empreendedor. Quanto mais tradicional for a região em termos da cultura cafeeira mais pronunciadamente estarão localizados os grandes problemas financeiros e econômicos.

Percebam, que quanto mais afastados estiverem desta zona de tradicionalismos, menos intensos são os problemas financeiros e maiores são as produtividades. Portanto, isto comprova a relação direta com o abandono ao que deveria ser o foco principal, ou seja, o homem cafeicultor.

Vejo, comumente e acentuadamente, de alguns poucos anos para cá, a derrocada dos cafeicultores tradicionalistas. Inúmeras fazendas foram trocadas de mãos e, atualmente, chamando a atenção para o fato de maiores extensões de terras perfazendo áreas contíguas acima de 2,5 mil hectares, pertencentes a vários produtores, serem colocadas à venda em regiões de forte tradicionalismo como o sul de Minas Gerais, tendo como agravante a ausência absoluta de compradores; fato este raríssimo se não inédito na referida região.

Enquanto isto, a cafeicultura mundial vai de bem a melhor...a cafeicultura de robusta/conillon vai de bem a melhor...e o cafeicultor de mal a pior. É sobre esta relação desigual e absurda que foco minhas críticas.
Sempre defendi a postura do profissionalismo ativo e agressivo, ou seja, ser proativo, diferentemente do cafeicultor ou de grande parte dos profissionais pertencentes ao mesmo sistema, em que percebemos claramente a postura reativa, onde esperam que o "mundo termine em barranco", sob os aspectos de propor soluções consistentes, para assim encostarem.

Nesta atividade, com exceções de se contar nos dedos de uma mão, não existem profissionais ou empresários com tais características e que ao mesmo tempo consigam formar e estabelecer opiniões. O que mais percebo são alguns "gritadores" ou "malucos belezas" falando ou escrevendo coisas desconexas ou descabidas e assim piorando a situação já caótica.
Por outro lado, os representantes da classe,em sua maioria, procuram lutar por uma sociedade endividada, como se esta atividade fosse apenas isto, esquecendo-se do empresário cafeicultor e até mesmo da atividade produtiva.

O foco está centrado apenas em dívidas e recursos financeiros, nada mais. Nem mesmo o produto café, que seria a finalidade última da cadeia produtiva possui foco. O cafeicultor brasileiro e o café brasileiro não possuem nada. Nos demais países, sejam quais forem, quando se fala em café, ouve-se Juan Valdez, Nestlé, Illy, Lavazza e mais uma meia dúzia de nomes. Uai, o Brasil produz café? Tem cafeicultores lá? Pensamos que café fosse apenas da Colômbia, Itália e Suiça...

Esta sociedade está abandonada na sua condição primitiva. Portanto, em minha visão, falta o essencial ao homem cafeicultor. Ao debater ou propor soluções, absolutamente enxergaria apenas a atividade cafeeira, a qual vai e irá cada vez melhor, mas fundamentalmente procuro agregar esta ao homem, que seria sua razão de existência.

Um grande abraço
José Eduardo
CELSO LUIS RODRIGUES VEGRO

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 17/09/2008

Prezado José Eduardo,

É muito honroso possuir entre meus leitores um empresário tão dedicado às causas e interesses do café. Fico imensamente surpreso em saber que minhas modestas análises foram alcançar pontos bem distantes nesse planeta.

Mais uma vez obrigado pela paciência com este escriba.
AT.
Celso Vegro
JOSE EDUARDO REIS LEÃO TEIXEIRA

VARGINHA - MINAS GERAIS

EM 13/09/2008

Prezado Profº Celso Vegro,

Quanto a seu artigo, percebo, como sempre, a lógica comercial e técnica, apoiada na ética.
Nos 3 tópicos apresentados, suas colocações são de uma clareza total e fundamentais a qualquer negociação pertinente aos mesmos. Atestando esta afirmativa, transcrevo parte de um texto, enviado inicialmente por mim e redirecionado entre nossos parceiros na China, América do Norte, Rússia e mais dois outros países, em que utilizamos de seus sábios conhecimentos para nos valer de negociações, com um grupo de mega investidores, de composição internacional, em que o retorno ou beneficio estará focado aos produtores/produção do Brasil.

(Inicio da cópia) ...Leiam com atenção este artigo abaixo enviado pelo Zé Eduardo e que foi escrito por um técnico (Celso Luiz Vegro- Brasil) que entende do assunto. Ele nos mostra mais uma vez que a melhor oportunidade que temos pela frente é entrar de cabeça nesse mercado de fertilizantes. Fica aqui a pergunta: será que não deveríamos nos concentrar neste assunto e focar absolutamente nisto, incluindo aqui se for o caso a trading? (Fim do trecho copiado - tópico 3 - Carência de discernimento)

Assim sendo, não apenas pelo texto acima, mas principalmente pelo retorno (feedback) aos temas expostos em nossas negociações, afirmo que, sem estas análises nada caminharia.

Portanto, a função "formador de opinião" à qual capacitadamente voce exerce e é merecedor está plenamente em realização e só não se aproveita desta quem não exerce o raciocínio, sendo que infelizmente se refere a inúmeros.

Quanto ao tópico 2 (Pepro II: ter por meta o êxito) apresenta não apenas a plataforma ideal sobre a qual deveria estar sustentado, mas fundamentalmente aponta vícios e falhas inadmissíveis na edição inicial. Os principais interessados neste "prêmio" podem não desejar ler seu artigo ou muito menos comentários sobre o mesmo, sendo que a razão a isto se procede de que, ao invés de praticarem ações que tudo teriam a enaltecer o comportamento das tradicionais familias de cafeicultores, simplesmente conseguiram prostituir através de ações não dignas desta, antes prestigiada e elogiada, atividade agrícola produtiva.

Sobre o tópico 1 (mercado) apresenta os fatos, tal qual o são através da análise sensorial e pontual. São informações relevantes ao empresário do setor.

Abs