FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Janela de aperto amenizada pelos estoques

A presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, deu declarações na última sexta-feira deixando poucas dúvidas do aumento dos juros americanos na próxima reunião do FOMC dos dias 14 e 15 de março.

Os principais índices acionários dos Estados Unidos retraíram com os investidores ajustando suas apostas no incremento do custo do dinheiro, mas o ajuste não tira o brilho da performance no ano – e muito menos se considerarmos os ganhos de US$ 3 trilhões acumulados desde a eleição de Donald Trump.

A maior parte das commodities que compõe o CRB tem se mantido em território positivo, exceção às energéticas, o suco de laranja e o cacau. Os metais são os líderes em ganho desde o início de 2017 e dentre as agrícolas os ganhadores tem sido o algodão, o milho e o trigo.

No café o contrato do robusta tem sido o principal destaque com os fundos segurando uma posição comprada grande. O arábica por outro tomou um tombo do dia 22 de fevereiro para cá, com um fundamento um pouco menos apertado em geral.

A influência política em função da inicial autorização de importação no Brasil e depois a suspensão da medida contribuíram para a volatilidade recente. Muito embora haja uma resistência natural do maior produtor mundial deixar entrar café de fora, vale lembrar que o quadro mundial de oferta e procura em nada se altera com um eventual fluxo, que na verdade potencialmente poderia inclusive ter um efeito positivo para a bolsa de futuros e naturalmente aumentaria os preços da saca no mercado local.

A bolsa de Nova Iorque tem perdido o apelo mais altista com o constante aumento dos cafés certificados, um sinal de que alguns cafés não estão encontrando destino e, portanto alterando a percepção dos especuladores que estão comprados.

As exportações das principais origens também dão um alento para quem tinha o receio de um aperto na oferta, ajudando a manter os estoques europeus em quase 12 milhões de sacas e os americanos em mais de 6 milhões de sacas – o último em níveis que não víamos há quatorze anos.

Os próximos dois meses em teoria seriam o período mais travado de movimentação do físico, considerando o déficit que muitos agentes trabalham. Um terminal que beira o que parece ser a “base” do intervalo de preços de US$ 140 a US$ 160 centavos por libra dificulta ainda mais a ‘originação’ de café. O quadro fica ainda mais complicado para quem está vendido em diferenciais sem cobertura, ainda mais com o fim da sazonalidade de maior consumo no hemisfério norte (com o fim do inverno) e a firmeza do Real e outras moedas de produtores.

O dólar americano firmando pode tirar o suporte de preços de Nova Iorque, fazendo alguns fundos jogar a toalha e liquidar alguns “longs” de seus livros de futuro. A indústria aproveitará as baixas para fixar seus preços, haja vista o risco de não fazer isto e eventualmente acontecer qualquer perda adicional de produção em um cenário que não tem espaço para diminuição na produção mundial.

A arbitragem entre o arábica e o robusta será determinante para o contrato “C” não romper os US$ 140.00 centavos e testar níveis menores. Segundo uma casa comercializadora respeitada, os torradores precisam comprar bastante futuros no robusta, uma situação que vimos no arábica no último trimestre de 2016 e que levou Nova Iorque para os US$ 170.00 centavos. Por outro lado uma vez ajustado os livros de futuros, precisaremos de novidades para evitar uma liquidação natural que se seguirá.

É importante o contrato de maio não quebrar a mínima da semana, US$ 139.65 centavos, o que seria tecnicamente negativo e pressionaria as cotações no curto-prazo. Na parte de cima do gráfico novas compras devem ser estimuladas caso a resistência de US$ 151.50 seja alcançada.

Uma ótima semana e bons negócios a todos,

*Rodrigo Corrêa da Costa escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting

RODRIGO CORREA DA COSTA

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ELDER G. BALDON

NOVA VENÉCIA - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 08/03/2017

Gostei da sua análise. Mas acho que não vai ter tanto arábica assim. Podemos ter surpresas.
RODRIGO CORREA DA COSTA

CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/03/2017

Olá Sr.Carlos Alberto,



Obrigado pelo seu comentário.



De antemão lhe informo que todos os meus comentários/análises refletem a minha opinião individual, baseada nas minhas percepções filtrando um pouco com a percepção do mercado e o impacto que tem nas bolsas e físico - não há "jogo" nem interesse algum envolvido, mas sim uma boa disposição de compartilhar informações e minhas leituras.



Com relação a minha observação, no texto, foi referente ao eventual impacto que possa ter nos preços, levando em consideração o diferencial com as cotações de bolsa.



De uma forma simplificada eu quis dizer que se o Brasil autoriza a importação a bolsa tende a subir pois o nosso país entrando como comprador de café no mercado internacional poderia diminuir os estoques disponíveis lá fora.



O resultado seria refletido de alguma forma nos preços locais, descontando o "diferencial", claro. Se por outro lado o Brasil não compra café de fora, a bolsa não tem este "comprador" adicional, e não tem o efeito positivo, imediato, para as cotações.



Apenas como um comentário adicional, a nossa cafeicultura é a mais eficiente e moderna no mundo, de forma que não vai acabar, muito pelo contrário.



Um abraço,

Rodrigo
CARLOS ALBERTO DE CARVALHO COSTA

MUQUI - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 07/03/2017

Sr. Rodrigo Correa da Costa o senhor disse que com aumento do fluxo de importação e exportação do nosso café, no nosso caso importação de conilon do Vietnã, poderia até aumentar o preço do nosso produto no mercado interno. O senhor está muito enganado e fazendo o jogo do industrial pois a partir das primeira entrada de café do exterior, as porteiras se abrirão e nada mais segurará a entrada de todos os tipos de café de fora, acabando com isso toda a Cafeicultura Brasileira.