FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Embarques brasileiros nos recordes de alta

Foto ilustrativa: Alexia Santi/agencia ophelia/ Café Editora
Foto ilustrativa: Alexia Santi/agencia ophelia/ Café Editora


A valorização mundial dos mercados acionários está se aproximando de US$ 70 trilhões, com destaque dos ganhos recentes das bolsas asiáticas e europeias, e relativamente mais brandas dos índices americanos.

O dinheiro que tem sido injetado nas economias, ou as promessas de novos estímulos na China, estimulam a tomada de risco haja vista o histórico recente da performance das bolsas. Ao mesmo tempo não se vê uma resposta similar das commodities, que sofrem por não haver uma perspectiva inflacionária, com demanda retraída e ofertas que ainda não diminuíram suficientemente para baixar os estoques de diversas matérias-primas.

O petróleo é um bom exemplo, pois embora os preços tenham caído 45% em seis meses os estoques atingem o maior nível desde 1930 nos Estados Unidos.

O mercado de café começou a semana reagindo bem ao quebrar o novo recorde de contratos em aberto em Nova Iorque e negociar a US$ 147.30 centavos por libra. Entretanto a euforia durou pouco, pois na terça-feira foram divulgadas a queda de quase 8 mil contratos em aberto, apontando uma falta de força para novas subidas.

O potencial de uma manutenção dos ganhos e uma puxada maior das cotações diminuiu com a liquidação tão grande comparada com o movimento de pouco mais de US$ 5 centavos na segunda-feira. Para corroborar com a leitura o COT na sexta-feira confirmou que os fundos diminuíram suas posições vendidas em 5,836 lotes em uma semana.

As origens, ou o short dos comerciais, aumentaram o equivalente a 1.5 milhões de sacas, demonstrando que o interesse de venda do pessoal do ramo está abaixo de US$ 150 centavos, talvez pela proximidade do início da colheita da safra brasileira. Novas tentativas de alta podem baixar ainda mais o teto do mercado, pois quem eventualmente não aproveitou para vender vai ajustar seus níveis de oferta.

Para o deleite dos baixistas as exportações do Brasil em março registraram um novo recorde para o mês e no acumulado do atual ciclo (julho a março), se situando inclusive acima das exportações da safra 10/11 quando então o Brasil colheu a maior safra de sua história, embarcando um total de 35.27 milhões de sacas de julho a junho.

Os embarques volumosos da principal origem deixa um ponto de interrogação naqueles que acreditavam em um estoque de passagem baixo e/ou uma produção da safra 2014/2015 menor, o que inevitavelmente forçará alguns agentes a atualizarem suas planilhas estatísticas.

O efeito prático é o aumento dos estoques nos países consumidores, dado que o crescimento do consumo é estimado por alguns estar em torno de 1.5%, sendo que outros crêem ser nulo nos Estados Unidos e levemente mais baixo na Europa.

Neste contexto a divulgação da safra do IBGE para a safra 15/16 em 42.5 milhões de sacas não surtiu nenhum efeito para as cotações do mercado futuro.

Os preços do terminal se mantido dentro do intervalo desde 25 de fevereiro ultimo, variando entre 128 e 150 centavos. Novas quedas encontrarão compra de comerciais, mas com os fundos estando mais “leves” uma nova rodada de vendas destes pode acabar afundando mais os preços.

O grande perigo é também o contrato de robusta, que tem muita fixação represada por parte dos intermediários e produtores, justamente quando a Indonésia inicia sua colheita e em menos de um mês o Brasil já terá conilon de safra nova para negociar.

Aos altistas resta torcer para que a firmeza do Real ajude a bolsa a não quebrar a parte de baixo do intervalo mencionado acima, já que por pelo menos algumas semanas não haverá café arábica novo brasileiro entrando no mercado, travando por ora o físico.

O fator surpresa será o clima, que caso traga chuvas durante a colheita pode prejudicar a qualidade e então puxar Nova Iorque para cima.

Uma ótima semana e bons negócios a todos,

*Rodrigo Corrêa da Costa escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting
 

RODRIGO CORREA DA COSTA

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

NISIO JOSE SOARES

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS

EM 13/04/2015

Prezado Rodrigo,  Parabéns pela abordagem da variação de preços da semana passada. A  subida de preços que não apresentada firmeza teve a pá de cal com o recorde de exportação em março.  Todo mundo do café dizendo que os vendedores no físico estavam retraídos, mas quando foi aberta a caixa de pandora estamos com os demônios a vista. Nestas condições é difícil acreditar que os preços na próxima safra estarão remunerando adequadamente os produtores. Infelizmente falta percepção que o café deve ser tratado como um produto dolarizado, tal como os insumos exigidos na produção.