ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Independência pela qualidade

BRENO MESQUITA

EM 01/07/2014

2
0
A colheita do café já teve início em grande parte do país, e o momento é de oscilação das cotações e muita insegurança para os produtores. Já se sabe que esta será uma safra mais baixa do que se esperava pela trajetória dos anos. A estiagem dos primeiros meses terá forte impacto nos números da produção; uma perda que ainda não poderemos sequer precisar até que o beneficiamento esteja em estágio mais avançado. Assim como em quantidade, é esperado também um nível bem menor em qualidade.

Foto: Guilherme Gomes/ Café Editora
Foto: Guilherme Gomes/ Café Editora

Os preços têm trazido alguma esperança aos produtores, após 2013 ter sido de cotações abaixo do custo de produção em muitas regiões. Ainda assim, sem uma política de preços perene para o setor, cabe ao cafeicultor gerir agora os preços pagos pela saca, equilibrando as contas do último ano e as possibilidades que os próximos meses - e 2015 - poderão trazer. A hora é de cautela na colheita, na comercialização e no planejamento adiante.

Este início de colheita, marcada por incertezas e embalada por um mercado altamente especulativo, traz uma única garantia: a preocupação com a qualidade será fator preponderante para se obter mais ou menos lucro.

Com muitos anos de forte trabalho, o Brasil conseguiu abrir canais de comercialização com o mundo comprador dos cafés diferenciados de várias origens produtoras, e é essencial que se mantenha e se alargue esse nível de comercialização.

Somos hoje reconhecidos mundialmente como um país produtor de cafés de variados tipos e sabores; todos de excelente qualidade. Aí está a chave para milhares de produtores que já estão alcançando muito mais valorização e equilíbrio. O caminho para a tão sonhada independência da dança das commodities. Café commodity sim, mas com enorme valor agregado. Em pesquisa, em investimento, em tecnologia, em diferenciação.

Cuidados redobrados já agora, na colheita, na secagem, no beneficiamento desta safra que a estiagem teimava em jogar por terra. E políticas públicas para que não faltem investimentos na melhoria da qualidade do grão, nos tratos culturais e em novas safras cada vez mais bem-sucedidas entre os melhores cafés do mundo.


Por Breno Mesquita, diretor da Faemg (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) e presidente das Comissões de Café da FAEMG e da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil). 

BRENO MESQUITA

Cafeicultor, diretor da FAEMG e presidente das Comissões de Café da FAEMG e da CNA.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOAO FRANCISCO DE SOUZA

FRANCA - SÃO PAULO - TRADER

EM 02/07/2014

Boa tarde, com esse vai e vem nas cotaçoes, gostaria de saber qual a perspectiva de



preço para o final do mes 07/14 e para o mes 08/14.



Cafe tipo 6 entrega futura.  Gostaria de saber  se voces podem me dar um norton com



relaçao a preços.



abraços.
MARCOS CARVALHO

CABO VERDE - MINAS GERAIS

EM 02/07/2014

Estamos buscando novos mercados para Cafés Especiais, estamos nos organizando em associação estamos no começo, com ASSPROCAFÉ .