carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Baixa exagerada põe em xeque fôlego dos compradores

Por Rodrigo Correa da Costa
postado em 19/06/2017

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A Amazon anunciou a compra de uma rede grande de supermercados nos Estados Unidos, aumentando o portfólio “físico” da gigante do setor tecnológico. O negócio pressionou as cotações de empresas como a Walmart e outros varejistas que podem sofrer perdas de market-share com a eficiência da empresa líder em vendas on-line.

Foto: Érico Hiller/ Café Editora
                                     Foto: Érico Hiller/ Café Editora

Dados econômicos da maior economia do planeta sinalizam um arrefecimento no crescimento do PIB, mas não o suficiente para evitar com que o FED aumentasse os juros e indicasse que um outro incremento continua na agenda para o ano.O índice do dólar depois de afundar abaixo de 96,40 recuperou e encerrou a semana virtualmente inalterado.

As commodities não param de cair com o índice do CRB testando os níveis de abril de 2016, empurrado principalmente pelas perdas do contrato de gado, de açúcar e de algodão, muito embora todos os componentes do índice caíram, com exceção ao trigo e o suco de laranja.

O café em Nova Iorque não escapou e fez uma nova mínima mesmo com Londres subindo e causando a inversão dos spreads daquele mercado. Como consequência a arbitragem estreitou para US$ 30,00 centavos por libra peso, patamar que não víamos desde 2014.

A diferença de comportamento fundamentalmente pode ser justificada pelo ano deficitário no robusta e problemas de qualidade no Vietnã para a safra atual. Eu acho que também tem um pouco do efeito de alguns participantes estarem sendo “pegos” de surpresa em alguma posição comprada da arbitragem, menos arriscado do que ficar apenas comprado no arábica, mas dependendo do tamanho da aposta pode estar sendo bastante dolorosa.

A puxada de Londres ajudou a sair negócios no físico das origens produtoras da variedade, mas insuficiente para pesar no mercado. Já a queda do contrato “C” travou ainda mais o fluxo de cafés no físico, com os diferenciais estreitando, o que deve continuar acontecendo até os fundos pararem de vender.

A preocupação fica por conta do quanto mais os comerciais e os fundos que estão comprados aguentarão segurar as posições compradas. Da parte dos comerciais o long perigoso é por parte das trading-houses que não imaginavam Nova Iorque cair tanto – como também não imaginavam subir em novembro último para US$ 180 centavos por libra.

Um dos grandes argumentos contra uma eventual subida do arábica é a necessidade de praticamente todos os agentes em ver o mercado mais alto, ou seja: as origens que precisam vender café, as tradings e os exportadores que precisam cobrir seus livros vendidos em diferenciais, e até mesmo os torradores que tendo uma cobertura boa de futuros agora precisam aumentar a compra do basis a níveis atrativos.

Ainda que intrinsecamente possamos dizer que as influências negativas para o café já deveriam estar aliviadas, como por exemplo o argumento de que é prematuro vender a bolsa olhando para a safra 2018/2019, ou mesmo citando as chuvas que recentemente caíram no Brasil de alguma sorte prejudicando uma parte da qualidade, tudo fica, por ora, secundário, e as apostas ficam por conta de quem terá mais folego para segurar a posição comprada, os fundos ou os comerciais.

O relatório do CFTC já mostrou que na terça-feira última (13) os fundos com um número recorde de contratos bruto-vendidos em 72,498 lotes, acima dos 71,980 contratos de 19 de março de 2013. Com a queda de sexta-feira (17) a posição já está maior. Considerando a posição líquida o recorde ainda não foi rompido, pois os mesmos fundos tinham 30,665 lotes no último dia 13 de junho, menos do que os 40,195 lotes de 5 de novembro de 2013.

Os fundos que são seguidores de tendência não têm porque desistir de continuar pressionando as vendas e como aconteceu no exagero da alta de US$ 180 centavos/lb do fim do ano passado, agora vão tentar tirar sangue dos que estão comprados. Difícil dizer o quanto que da parte comprada pode ser liquidada, mas os fundos têm 41,833 lotes e potencialmente poderiam despejar outros 10 ou 15 mil lotes. Já por parte dos comerciais comprados me parece improvável ver uma liquidação de mais de 10 mil lotes.

Os dois somados, entretanto, podem desovar de 20 a 25 mil lotes, o que seria suficiente para afundar as cotações outros US$ 10 ou 15 centavos por libra, bem indigesto para os altistas.

Nestas horas o ideal é não entrar em pânico, fácil dizer, mas bem complicado de ser praticado, principalmente se o fluxo de caixa apertar.

Tecnicamente Nova Iorque tem como próximo suporte US$ 122,80, base o contrato de setembro de 2017, seguido por US$ 118,90 e US$ 113,40. Resistências estão em US$ 130,25, US$ 133,45 e US$ 135,70 centavos por libra peso.
Uma ótima semana e bons negócios a todos,

Rodrigo Costa*

*Rodrigo Corrêa da Costa escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting 

 

Direitos reservados

Este artigo é de uso exclusivo do CaféPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Rodrigo Correa da Costa    Nova Iorque - Nova Iorque - Estados Unidos

Consultoria/extensão rural

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade