Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Monitoramento das principais doenças e pragas do cafeeiro

Por ANTONIO FERNANDO DE SOUZA
postado em 30/03/2007

9 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O monitoramento das pragas e doenças do cafeeiro é uma etapa importante no planejamento fitossanitário de uma propriedade, pois se evita os gastos desnecessários com mão-de-obra, desgaste de máquinas e a perda dos produtos químicos empregados numa aplicação. Além disso, ajuda na redução dos problemas relacionados ao uso indiscriminado dos produtos fitossanitários, ajudando na preservação ambiental, na redução dos custos de produção, no aumento indireto da produtividade e no aumento dos lucros com a atividade agrícola.

Assim, o monitoramento constitui-se na base de todo e qualquer programa de manejo integrado, devendo ser uma prática rotineira na cafeicultura moderna, independentemente do tamanho da área e da região onde se desenvolve.

A pesquisa científica tem gerado muitas informações a respeito deste assunto na cafeicultura e várias metodologias têm sido propostas. Algumas são muito complexas ou bastante trabalhosas para as pessoas que irão estar diretamente envolvidas na aplicação do plano de amostragem.

No artigo deste mês, iremos tratar de algumas metodologias empregadas no monitoramento das principais pragas e doenças do cafeeiro, fundamentada dentro dos padrões científicos e que ao mesmo tempo seja prática para execução em nível de campo.

Operacionalização do plano de amostragem

Maior ou menor rendimento na aplicação do plano de amostragem, depende do planejamento e da organização do trabalho de amostragem. Alguns procedimentos devem ser observados antes de executar a amostragem propriamente dita:

- Dividir a área de lavoura em talhões homogêneos (talhões de 3 a 5 mil plantas) com base nas cultivares utilizadas, na idade da lavoura ou na topografia do terreno (topo ou baixadas). Isto facilitará os monitoramentos que serão realizados nos anos subseqüentes, a coleta de material para análise química do solo e foliar, a operacionalização dos tratos culturais, aplicação de defensivos agrícolas ou fertilizantes e o escalonamento da colheita.

- Elaboração de um mapa da propriedade, situando todos os talhões cultivados com café, facilita o planejamento administrativo da propriedade.

- Em cada talhão devem ser confeccionadas as planilhas de avaliação, onde conste o número do talhão, tamanho (número de covas), cultivar, data de plantio, data da avaliação, responsável pela amostragem e a decisão alcançada. Planilhas diferentes podem ser confeccionadas para anotar todos os tratos culturais realizados no respectivo talhão ao longo do ano, bem como a quantidade de frutos produzidos. Estas planilhas constituem uma fonte de informação de grande valia para o produtor, à medida que se acumulem as avaliações de vários anos (histórico da propriedade).

Execução do plano de amostragem

Amostragem é uma etapa importante para aplicação correta e segura de produtos fitossanitários. Deve ser representativa da população original e realizada de maneira criteriosa. A tomada de decisão deve ser feita com base na amostragem em cada um dos talhões em separado (avaliação de uma única área não deve ser extrapolada para toda a propriedade).

O primeiro passo é definir como selecionar as plantas para coleta de material para avaliação dentro de um talhão. Recomenda-se que esta escolha das plantas seja totalmente ao acaso, selecionando as plantas através de um caminhamento em zigue-zague ao longo do talhão (figura 1).


Figura 1 - Esquema de caminhamento em zigue-zague para amostragem de folhas em um talhão cultivado com café.

O monitoramento da broca deve ser realizado em todas as lavouras (talhões) com plantas adultas, iniciando-se pelas adensadas, adensadas e irrigadas ou somente irrigadas; naquelas não irrigadas com previsão de baixa produção e finalmente naquelas mal colhidas ou não colhidas pela produção desprezível ou colhidas tardiamente.

Onde amostrar na planta escolhida?

Identificada a planta no talhão, a primeira dúvida é onde coletar material que seja representativa da infestação da praga ou da doença naquela planta (figura 2):


Figura 2 - Local de maior ocorrência das pragas e doenças no cafeeiro.

Quando iniciar a amostragem?

A eficiência do monitoramento está, por sua vez, relacionada com os conhecimentos da planta, sua fenologia e fisiologia de produção, da biologia das pragas e doenças, dos fatores edafoclimáticos da região e da correta diagnose dos problemas fitossanitários nas lavouras. Obviamente, estes conhecimentos representam um somatório da experiência prática adquirida ao longo do tempo, aliada aos conhecimentos teóricos obtidos pelo estudo das publicações sobre o assunto (tabela 1).


Tabela 1 - Época crítica de ocorrência das principais pragas e doenças do cafeeiro Zona da Mata Mineira. Vale ressaltar que estas épocas podem variar de uma região para outra.

O monitoramento da broca deve ser iniciado na época de trânsito (acasalamento) que coincide com o período de 3 a 5 meses após a 1ª florada e continua sendo feito mensalmente, até cerca de 70 dias antes da colheita. A determinação da incidência de mancha de olho pardo em frutos pode ser iniciada a partir do mês de janeiro.

O que amostrar na planta escolhida?

a) Folhas: para avaliação da incidência da ferrugem, da mancha de olho pardo, da mancha de ascochyta e da porcentagem de infestação por bicho mineiro.

b) Frutos: para a determinação da incidência de mancha de olho pardo nos frutos e da porcentagem de infestação da broca.

No caso particular da mancha de phoma a amostragem é feita diretamente no campo, sempre no terço superior das plantas. Consiste em avaliar 10 ramos por planta (cinco de cada lado), contando o número de folhas (NFCMP) e ramos (NRMP) com sintomas da doença - deformação das folhas novas (1º ou 2º par) com lesões escuras nos bordos destas folhas e escurecimento e morte das pontas dos ramos.

Como amostrar?

a) Amostragem de folhas:

- Amostrar 20 plantas por talhão;

- No terço médio da planta escolhida;

- Escolher cinco ramos laterais ao acaso de cada lado da planta;

- Retirar uma folha completamente desenvolvida, do 3o ou 4o par de folhas, por ramo;

- Total de 10 folhas/planta (cinco de cada lado);

- Total de 200 folhas/talhão.

b) Amostragem de frutos:
- Amostrar em média, 50 plantas por talhão. Existe na literatura uma recomendação que este número depende do numero de plantas presentes no talhão, conforme apresentado na tabela 2, a seguir.


Tabela 2 - Número de plantas a ser amostradas em função do número de plantas presentes em cada talhão.
- Na primeira amostragem os frutos maiores provenientes da primeira florada, são coletados no terço superior da planta escolhida. Nas demais amostragens os frutos podem ser coletados no terço médio da planta;

- Escolher 4 ramos por planta (um em cada face). Em cafeeiros de porte elevado, utilizar escada durante a operação;

- Coletar 25 frutos/ramo no total de 100 frutos/planta;

- 50 plantas/talhão no total de 5000 frutos/talhão.

O que avaliar no material coletado?

Após a coleta do material, as folhas e os frutos são acondicionados em sacos plásticos devidamente identificados, pelo respectivo talhão, para posterior avaliação das pragas e doenças presentes.

Deve-se em primeiro lugar conferir o número de folhas e frutos coletados em cada talhão e depois anotar em uma planilha os dados correspondentes à avaliação de:

- Ferrugem: contar o número de folhas com pústula de ferrugem esporulando (NFCF).

- Mancha de olho pardo: contar o número de folhas com sintomas de mancha de olho pardo (NFCMOP);

- Mancha de ascochyta: contar o número de folhas com sintomas de mancha de ascochyta (NFCA);

- Bicho mineiro: contar o número de folhas com minas ativas, ou seja, com presença de larvas vivas nas minas (NFCMA) e o número de folhas com minas rasgadas (NFCMR).

O número de folhas com minas ativas é utilizado para o calculo da porcentagem de infestação.

- Broca nos frutos: separar e contar de todos os frutos sadios e frutos broqueados (considerar brocados todos perfurados na região da coroa).

Tomada de decisão

No cafeeiro vários estudos foram desenvolvidos com a ferrugem, com a broca e com o bicho mineiro, sendo conhecidos o níveis de infecção ou infestação que as plantas suportam sem que haja prejuízos econômicos decorrentes deste ataque. Para as demais pragas e doenças, ainda não temos esses índices estabelecidos e neste caso o monitoramento teria a função de verificar qual seria a época de maior ocorrência na região, para que possamos antecipar o início do controle.

De posse dos dados obtidos na avaliação, o passo seguinte é calcular a porcentagem de infestação da praga (ou infecção da doença) para que seja tomada a decisão em adotar ou não o controle químico.

- Ferrugem: A porcentagem de infecção da ferrugem é calculada conforme a seguinte expressão:


Se a porcentagem de infecção estiver abaixo de 5% de folhas com pústulas esporulando, recomenda-se aplicar fungicida a base de cobre no controle da doença. Se o índice de infecção estiver entre 5 e 12,5%, recomenda-se a aplicação de fungicidas sistêmicos. Acima deste valor, a eficácia dos produtos no controle da doença pode apresentar comportamento variável.

A contagem de pústulas inativas ou curadas pode ser realizada quando houver interesse em avaliar a eficiência de controle com fungicidas sistêmicos.

- Não existe índice para tomada de decisão em relação a mancha de olho pardo, a mancha de ascochyta e a mancha de phoma. Na verdade este índice depende de vários outros fatores (luminosidade, exposição da lavoura, vento, altitude, espaçamento, nutrição e das condições microclimáticas) que podem variar dentro de uma mesma propriedade.

- Bicho mineiro: A porcentagem de infestação por bicho-mineiro é determinada segundo a expressão:


Orienta-se iniciar o controle do bicho-mineiro, quando a porcentagem de infestação estiver acima de 30% de folhas com minas ativas no terço médio ou cima de 20% de folhas com minas ativas no terço superior. Em lavouras novas em formação, de até três anos de idade, o controle químico deve ser realizado sem a necessidade de determinação da porcentagem de infestação, ou seja, assim que as primeiras minas ou lesões forem constatadas nos cafeeiros. É recomendável que o controle químico seja feito somente nos talhões ou parte dos talhões mais infestados, a fim de auxiliar na preservação dos inimigos naturais.

- Broca do cafeeiro: A porcentagem de infestação por broca nos frutos é determinada segundo a expressão:


Como o ataque não se distribui uniformemente na lavoura, recomenda-se o controle apenas para os talhões em que a infestação da praga já tenha atingido 3 a 5% de infestação.

Exemplo de uma planilha para anotação dos dados obtidos na avaliação das doenças e pragas do cafeeiro:


Conclusão

Conforme dito anteriormente, o monitoramento de pragas e doenças constitui-se na base de todo e qualquer programa de manejo integrado. Uma estimativa errada da quantidade de doença ou da porcentagem de infestação de uma praga, causada pela amostragem incorreta, implicará em decisões incorretas na tomada de decisão em relação ao controle químico na propriedade. Isto implica diretamente em perda de produtividade e aumento do custo de produção para o produtor, além dos efeitos indiretos.

Referências bibliográficas

CARVALHO, V.L.; CHALFOUN, S.M. Doenças do cafeeiro: Diagnose e controle. Belo Horizonte: EPAMIG, 2000. 44p. (EPAMIG. Boletim Técnico, 58).

SOUZA, J.C. de.; REIS, P.R. Broca-do-café: histórico, reconhecimento, biologia, prejuízos, monitoramento e controle. 2.ed. Belo Horizonte: EPAMIG, 1997. 40p. (EPAMIG. Boletim Técnico, 50).

SOUZA, J.C. de.; REIS, P.R. RIGITANO, RENÊ. L. de O. Bicho-mineiro do cafeeiro: biologia, danos e manejo integrado. 2.ed. Belo Horizonte, MG: EPAMIG, 1998. 48 p. (EPAMIG. Boletim Técnico, 54).

ZAMBOLIM, L.; VALE, F.X.R.; PEREIRA, A.A.; CHAVES, G.M. Controle de doenças causadas por fungos, bactérias e vírus. In: VALE, F.X.R.; ZAMBOLIM, L. Controle de doenças de plantas cultivadas: grandes culturas. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 1997. v. 1. p. 83 - 140.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

ANTONIO FERNANDO DE SOUZA    Viçosa - Minas Gerais

Pesquisa/ensino

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Márcio Luiz de Carvalho

Inhapim - Minas Gerais - Produção de café
postado em 23/06/2007

É um exelente artigo.

Lauro Barreto de Godoy

Guaçuí - Espírito Santo - Produção de café
postado em 02/07/2007

Antônio,

Antes de tudo, quero te parabenizar pelo excelente artigo. E depois, agradecer, pois sentia falta de um sistema de monitoração de pragas e doenças realmente prático e de relativa facilidade de aplicação. Creio que esse sistema me será de grande proveito.

Também faço questão de parabenizar toda a equipe do CaféPoint, que nos traz essa ferramenta extraordinária de acesso à informação relacionada a cafeicultura.

Parabéns e Obrigado!!!

Mauro Rodrigues

Jandaia do Sul - Paraná - Consultoria/extensão
postado em 18/05/2008

Dr. Antônio,
Gostaria de parabenizá-lo por este trabalho de orientação, com relação ao monitoramento de pragas e doenças do cafeeiro.
Sem a menor dúvida, o monitoramento é uma ferramenta muito importante nos dias de hoje na agricultura brasileira. Cabe ressaltar que ainda existem produtores que aplicam defensivos agricolas como se fosse receita de bolo.
O monitoramento é a melhor ferramenta para a diminuição dos custos de produção na agricultura moderna.
Como diz o ditado: A melhor pulverização é aquela evitada pelo inspetor de pragas.

Meus parabéns e muito obrigado!

fabio celoto saboto

Fátima do Sul - Mato Grosso do Sul - Revenda/ distribuição de produtos para a produção
postado em 11/07/2009

Bom dia, trabalho em uma região produtora de soja e milho, mas tenho uma grande preocupação com a cultura do café, a qual fui criado. O sr. meu pai é produtor de café no estado de SP, e como já estou afastado há 13 anos, gostaria de algumas dicas se possível, de produtos mais eficazes no controle de bicho-mineiro.

Desde já, muito obrigado.

jefferson ghisolfi morello

Governador Lindenberg - Espírito Santo - Estudante
postado em 28/10/2010

Qual denfensivo agricola para controlar a doença olho pardo?

MÁRCIO GOMES SANTANA

Tiros - Minas Gerais - Produção de café
postado em 05/11/2010

Gostei muito da publicação,aqui faço as amostragens de pragas e doenças georeferenciadas garanto uma maior gerenciamento das amostragens,facilitando assim a tomada de decisão.

antonio gilmar ribeiro

Rio Pardo - Minas Gerais - Consultoria/extensão
postado em 20/10/2011

Sintético objetivo, excelente.

sergio farias de oliveira

Teodoro Sampaio - São Paulo - Estudante
postado em 13/02/2013

Olá sou universitario SEM TERRA de Agronomia da UFSCAR Campos Sorocaba.

Gostei da tabela de doenças ficou bem pedagogica.Sergio Farias

hugo velez montes

coatepeque - quetzaltenango - Guatemala - Consultoria/extensão rural
postado em 05/03/2014

quisiera  saber mas sobre la ASCOCHYTA en germinadores de cafe,sintomas y control. de antemano gracias

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade