Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Notícias > Mercado

Você sabe a diferença entre sachê e cápsula de café?

postado em 11/11/2010

3 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Estamos diante de um mundo de avanços, onde a tecnologia faz cada vez mais parte do dia-a-dia.



Isto também acontece quando o assunto é o preparo de uma xícara de espresso de uma forma cada vez mais prática e refinada.

As modernas máquinas para uso doméstico tem acompanhado bem a evolução do mercado brasileiro. Por essa razão, é conveniente explicar as diferenças entre café em sachê e café em cápsula.

No café em sachê, cada unidade possui aproximadamente 7 gramas de grãos moídos e acondicionados. Trata-se do padrão E.S.E (Easy Serving Espresso) europeu , comum em todas as máquinas destes modelos.

Esse sistema garante um produto mais acessível, porém de excelente qualidade. Tais vantagens encorajam até muitos consumidores a trocarem suas máquinas.

Já no sistema em cápsula, há uma variação entre cinco a oito gramas e o conteúdo é acondicionado em um recipiente de plástico ou alumínio. Neste caso, não há um padrão e cada torrefador pode criar suas próprias medidas. Isso limita as opções do consumidor, que fica "a mercê" de um único produto.

Além disso, em países da Europa, está próxima a proibição deste sistema, por não ser reciclável. O café em sache não polui. Cada unidade possui apenas 2 gramas de papel, que em 6 meses estará reintegrado ao ambiente.

Os profissionais e apreciadores de um bom café, não há porquê resistir à modernidade.

A matéria é do jornalista Gil Manigrassi, para Associação Brasileira de Café em Sachê, adaptada pela Equipe CaféPoint.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

José Adauto de Almeida

Marumbi - Paraná - Extensão Rural
postado em 11/11/2010

Se for verdade que a cápsula será proíbida na europa, até quando que produtos rejeitados ou proibidos (industriais e químicos) em outros países serão "lançados" aqui no Brasil como o "point" de linha?

CMMS

Espinho - Aveiro - Portugal - Pesquisa/ensino
postado em 27/11/2016

É tudo uma questão de mercado financeiro. O q nuns países é topo noutros já foi topo, assim se passa com os métodos de segurança (lavagem aos CÉREBROS). Repare nos alimentos q descobrem q faz bem a determinadas coisas, mais uns anos á frente já promovem o inverso. O DINHEIRO manda, não importa o resto. Se reparar e pensar um pouco (sei que o faz, assim como toda a gente) a Energia ELETRICA já existe á muito no entanto os entraves para são enormes. Se o veículo usa geradores p gerar energia de diversas formas desde travoes aos gerador em si, se tem alternador p alternar a energia, se tem bateria q acumula energia, porque necessita de carregar ??? Porque interessa aos grupos financeiros, que haja a imposição de perda de carga ou seja p q esta em andamento n adquira a carga total, promova a necessidade e não a autonomia. Assim é com o CAFÉ. Vários tipos de Cargas, umas promovem melhor cafe do q outras mas na realidade tb tem a haver com a pressão/filtro (claro q a qualidade do café apanhado e acondicionado é importantíssimo) . PQ é q só as marcas importadoras tem direito a q suas máq. utilizem café em pó ??? Pq razão as regras de segurança para a saúde n são internacionais, mas sim tipo intercontinentais. Pq os materiais recicláveis na Europa são ainda + caros q os outros. Se o plástico e o alumínio é reciclável pq as cápsulas q ão reciclados n as reciclam e baixam o preço. .... ;) Em suma os estados promovem CÉREBROS ovelha metros, Ovelhas p q sejam mandadas e n pensarem.

Daniel Druwe Araujo

São José dos Campos - São Paulo - Educação e Consultoria
postado em 28/11/2016

Não há dúvida de que as empresas comercializam o que lhes dá lucro e, em princípio, só se preocupam com ambiente quando pressionadas pela sociedade. E aí reside o problema:  as cápsulas são enormemente mais práticas e garantem um café de melhor qualidade mesmo para os consumidores mais despreparados no processo.
Dentro do segmento usuário de máquinas de café, a  quantidade de consumidores dispostos a usar os saches ou pó solto ao invés de cápsulas ainda é muito pequeno no Brasil. Não que na Europa sejam maioria, mas os consumidores preocupados com o ambiente são numerosos e ativos o suficiente para promover a legislação.
O sistema capitalista é o sistema mais sensível aos estímulos e restrições da sociedade. Basta a sociedade definir o que valoriza e o que rejeita.
Conclusão... a sociedade brasileira tem as empresas e os produtos que deseja.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2016 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade