Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

A âncora chamada estoques certificados

Por Rodrigo Correa da Costa
postado em 13/06/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Comentário semanal - de 06 a 10 de junho de 2011

A enxurrada de indicadores econômicos negativos nas últimas semanas diminuiu o apetite ao risco, e na falta de alternativas, a moeda americana acaba sendo uma fuga para quem quer diminuir suas exposições nos mercados.

Na última quarta-feira a divulgação do índice de preços dos imóveis nos Estados Unidos, que rompeu as mínimas vistas em abril de 2009, ratifica o "duplo-mergulho" do mercado imobiliário americano, que segundo alguns analistas tem mais de 50% de hipotecas com valores maiores do que o valor atual dos colaterais - leia-se o próprio imóvel.

O Euro também patinou depois do presidente do Banco Central Europeu ter dado indicações de que os juros devem subir no próximo mês mas muito provavelmente não sofrerão mais reajustes no curto prazo, diferente do esperado pelos mercados.

O resultado da retração ao risco foi a queda na semana das ações em mais de 2% para os principais índices ao redor do mundo, enquanto as commodities tiveram comportamento misto, refletindo um pouco mais os fundamentos individuais, como a subida do açúcar e do milho, e a queda do petróleo.

Para o café o movimento negativo pode ser parcialmente explicado pela ausência de frio, depois de na semana anterior vários participantes terem coberto parte de suas posições vendidas, alguns inclusive entrando comprados. A falta de capacidade de Nova Iorque em romper os US$ 270 centavos mais uma vez, também serviu de razão para o especulador de curto-prazo "bater" no mercado.

Curioso notar em minhas duas viagens ao Brasil o quão otimista para os preços praticamente todos estão, com grande parte defendendo um novo movimento de alta em função da escassez esperada para o final deste ano e começo do ano de 2012. Claro que o começo da safra sendo negociada a diferenciais positivos, e tendo a arbitragem entre BM&F e ICE firmando, acabam servindo como argumentos para os altistas.

Entretanto tenho minhas dúvidas com relação a estas análises, não que eu seja extremamente baixista, mas é bom lembrarmos que o arábica em Nova Iorque saiu de US$ 180 centavos/libra quando da florada que indicou o tamanho que seria a safra que está começando a ser colhida no Brasil. Ou seja, não é novidade que a safra 11/12 será menor, e tão pouco que viveremos um período de aperto na entressafra. Creio inclusive que este foi um dos motivos do mercado ter subido para os US$ 270 / US$ 300 centavos. Ao mesmo tempo me parece que a queda recente tem sim uma influência do cenário macroeconômico, mas também impactou algumas revisões levemente mais positivas para os números de produção global.

Os altistas também apontam para uma demanda forte nos países maduros, inclusive uma grande torrefadora americana ao divulgar seu resultado recentemente mencionou um crescimento de quase 3% para seu produto. As importações americanas não indicam um percentual igual, com o país trazendo 22 milhões de sacas nos últimos 12 meses. De qualquer forma o único consenso do mercado com relação ao S&D é não haver consenso algum, ainda mais com relação aos estoques mundiais, que fazem toda a diferença para um ano de déficit.

No próximo dia 24 de junho o USDA trará seus números compilados para o mercado de café, para confrontar as estatísticas privadas. Ao montar minhas apresentações recentes, fiz algumas tabelas que indicam produção e consumo mundial, e que resultaram na expectativa de um déficit para o ano-safra 11/12 em torno de 7.5 milhões de sacas - isto considerando a produção brasileira ao redor de 45 milhões, e do Vietnã ao redor de 19.5 milhões. Para os que acham que o primeiro produzirá 3 milhões de sacas a mais e o segundo 2.5 milhões a mais, o déficit acaba diminuindo para 2.5 milhões - será que não é isso que pode estar tirando a força do mercado, e eventualmente pressionar os preços para próximo de US$ 240 centavos por libra?

Tenho muita dificuldade em traçar linhas definidas, como as que alguns analistas conseguem fazer, dizendo que abaixo de US$ 260 centavos pode comprar de olho fechado o que puder de café, pois não cai muito mais... Estas verdades "absolutas" são assustadoras. Se o mercado interno brasileiro continuar mais demandado, seja pelo consumo local (menos provável) ou pela necessidade de cobertura daqueles que colocaram vendas nos seus livros (mais provável), o que veremos é o diferencial descontar o aperto, não necessariamente o "flat-price" (leia-se a bolsa de Nova Iorque). Até porque o contrato "C" tem a "âncora" dos certificados, cuja qualidade não serve de reposição ou de alternativa para quem precisa se proteger da escassez, e que para piorar o inventário não apenas parou de cair como está subindo levemente.

Em resumo, acredito que os preços podem cair um pouco mais sim, o que não significa que o mercado vai despencar para US$ 175.00 centavos por libra como disse um grande banco de investimentos americano em um de seus relatórios esta semana.

Para terminar vale notar que no COT (relatório que divulga as posições dos participantes no mercado) mostrou os fundos reduzindo suas posições compradas, estando quase vendidos (líquido). Vamos aguardar os fundos pressionarem a mola para voltarmos a falar em alta, ou quem sabe algum prognóstico de frio no cinturão de café brasileiro.

Uma ótima semana e muito bons negócios para todos.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Rodrigo Correa da Costa    Nova Iorque - Nova Iorque - Estados Unidos

Consultoria/extensão

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade